quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Surpreendente!




Aconteceu novamente. Ela o surpreendeu. Ultimamente, ela sempre o surpreendia...
“Nua, nesse frio?” - disse com um olhar que denunciava o pau endurecendo.
“Ah, você me esquenta...” – com um sorriso safado, se enfiando embaixo das cobertas.
Em outros tempos ela apenas diria “Não encosta!” tamanho era o frio que fazia naqueles dias...




Ele deitou-se vestido e buscou a pele gelada com suas mãos quentes. Percorreu o corpo dela com as mãos e com os olhos. Depois, com a boca. Beijou os seios. Lambeu, mordeu. O mesmo no pescoço, nos lábios, nas orelhas, na nuca.

Ela gemia baixinho, demonstrando seu prazer, meio que fazendo pouco caso... Virou-se de costas pra ele, que continuou beijando, acariciando e buscando um lugar mais quente no corpo dela.

O corpo já estava todo quente. Ele chegou aos ombros massageando e ela pediu mais. Era tudo que ela queria... uma massagem relaxante e safada. Nos ombros, nas costas... chegando na bunda.
Ah, ele adorava aquela bundinha! E ela amava aquela pegada, mãos que amassavam, apalpavam com vontade, beliscavam, arranhavam.

“Essa massagem... deliciosa... está mais relaxante do que excitante. Mas podemos dormir... está frio, não precisa tirar o pijama...” – ela provocou.

Foi o que bastou para ele levar a mão a sua buceta enquanto sugava seus seios. Ela se contorcia devagarzinho, enquanto ele esfregava seu clitóris com a palma da mão. Os dedos roçavam a entrada da vagina, que aos poucos ia vertendo seu mel abundantemente. Ele falava putarias em seu ouvido. Ela, de olhos fechados, contava suas safadezas... como tinha se masturbado pensando nele... e em outro... Ele se excitava e aumentava o ritmo.

“Vai me deixar gozar? Ou prefere que eu chupe seu pau primeiro?”

Com isso ele já não se surpreendia mais. Sabia que de uns tempos pra cá ela era alucinada por uma boa chupada. Mas não, queria vê-la gozar primeiro. Também não se admirava com o fato dela se excitar com outros homens. Nem dela mexer com a imaginação deles. O que o surpreendia era ele mesmo se excitar com isso. Seu pau já latejava aguardando ela gozar. E o gozo veio, devagar, porém intenso. Não gritou, apenas viajou em seus pensamentos, gemendo, ofegante, extasiada.

Ele lambeu os dedos impregnados de seu gozo. E ela o surpreendeu pedindo os dedos para ela também sentir aquele sabor.
“Agora eu vou chupar seu cacete bem gostoso” – e avançou, tirando-lhe a calça e a cueca. Cobriu-se com os cobertores, sumindo debaixo deles. Lambia toda a extensão, passando a língua pela veia mais grossa, bem no meio do pau. Subia e descia por ali, circulava a glande... Chupava a cabecinha, enfiava a ponta da língua no buraquinho, por onde brotavam pequenas gotas salgadinhas, ainda transparentes. E foi então que ela o surpreendeu mais uma vez naquela noite...

Engoliu o pau quase todo. Mastro, bolas... entrando e saindo de sua boca. Ele virava os olhos... ela nunca tinha feito aquilo com tanta “profundidade”!

“O que você está fazendo hoje?” e jogava a cabeça pra trás de prazer.
“Ué! Estou te chupando gostoso, só isso...” e continuava, olhando de esguelha e sorrindo maliciosamente pra ele. “Você quer gozar na minha boca ou na minha buceta?”

“Ah, como você judia! Na buceta, eu quero na bucetinha!” Ela fez que ia largar o pau, mas continuou a chupar e beijar e lamber mais um pouco. Engoliu o cacete gostoso mais algumas vezes e percebendo que ele ia gozar, levantou-se e sentou sobre o pau.

Se encaixou e rebolou naquele caralho, olhando bem safada nos olhos dele. Subia e descia, ele também se movia e a segurava pelos quadris ditando os movimentos. E dessa vez, ele quem a surpreendeu, mudando de posição. Deitou-se por cima dela e meteu seu cacete até o talo. Os dois perfeitamente unidos e encaixados, se remexendo. Ela sentia o pau entrando e saindo, fazia uma leve pressão contraindo a vagina, “abraçando” o pau, rebolava. Cravava as unhas na bunda dele.

Ele acelerou, roçando e arranhando a barba mal feita em seu pescoço. Ela sentia o gozo vindo. E veio. Os dois juntos. Ele gozou intenso, num gemido forte e quase silencioso. Ela se contorceu em espasmos... Continuaram devagarzinho... até o gozo cessar.
Desfeito o encaixe, permaneceram abraçados.
“Você é uma surpresa diária pra mim... Uma adorável surpresa... sempre.”

***Originalmente publicado no Casulo da Sexy Butterfly em Julho/2011.

5 comentários:

• Eva Correia disse...

..Mas que "Bomdia" maravilhoso viu Senhorita SexyB. eu jamais pensei nas sensações ímpares que tive hoje aqui correndo em meu corpo.
Eu estou aqui esperando simplesmente "não passar".
E como toda mulher tem o "poder da língua" sob o homem, em seus carinhos e carícias tão intensos, tão cheios de volúpia... Hummm adorei.

Beijos com Carinhos Meus
Quero +!

Sophysticada disse...

Borboletinh@!

Toh passando mau...
Maravilhoso muito envolvente.

Bjk@s

Derek Dick disse...

O que é bom ....a gente lê de novo...e de novo...e de novo....

Beijos molhadinhos
DD

LÁBIOS DE ANA (MARIAH) disse...

Uau tô assim pegando fogo, delicia de texto fiquei excitadíssima...rs! Bjos Borboleta e obrigadinha pela força!!!

Ayesk@ disse...

Ruivinh@ tarda...mas, não falha!!!

Minha Amiga Borboletinha, cada vez mais Sexy...
Devo concordar com o meu amigo querido DD,o que é MQTDB, deve ser lido, relido, relido, relido...

Aaaa amiga, julho/2011 ...impossível esquecer essas delícias que voce escreve!!!

bjs doces!!!