segunda-feira, 30 de abril de 2012

Reencontro



Noite chuvosa, temperatura um pouco mais amena, eu sozinha, nada pra fazer, tomei um banho quentinho, vesti uma lingerie confortável, abri  um vinho tinto, coloquei uma musica gotosa, me espalhei no sofá e bóra pensar na vida, gosto de ter esse momento só meu, sem nada nem ninguem, aproveito pra fazer uma analise de tudo que esteja acontecendo em minha vida.

Estava uma delicia a minha companhia, já havia degustado quase meia garrafa do vinho, estava leve e tranquila, de repente toca o interfone, olho rápido no relógio 22h, que estranho... que poderá ser uma hora dessas?

Atendo o interfone e uma voz que não ouvia havia tempos me diz boa noite, levei um susto, meu coração bateu forte, perguntei: _ quem é? (como se eu não quisesse acreditar no meus ouvidos...rsrs), então a voz me responde: _ sou eu, não reconhece mais? Posso entrar, sei que está sozinha?
Neste momento não sabia o que dizer, o que fazer, apertei o botão para abrir o portão, corri até a frente do espelho, conferindo se estava apresentável, e em seguida fui recebe-lo na porta.

Quando abri, não conseguia acreditar que ele estava ali novamente, parado na minha frente, lindo como sempre, com aquele sorriso iluminado, aqueles olhos azuis que me enfeitiçava,  sorri e me afastei pra que ele pudesse entrar, em seguida fechei a porta e me virei pra ele que rapidamente me deu um abraço gostoso, me perguntando se tudo estava bem.

Não conseguia disfarçar o nervosismo, parecia que meu coração iria sair pela boca, afinal de contas depois de 4 anos juntos vivendo uma paixão alucinada, uma cumplicidade como nenhuma outra, eu havia decidido que deveria me afastar dele, e mesmo com todo carinho que sentia, não voltei atras na minha decisão e ele havia respeitado isso. Mas por alguma razão hoje ele resolveu aparecer, e sabia que poderia aparecer, pois não havia nada para atrapalhar.



Eu não consegui perguntar nada a ele, apenas o olhei nos olhos e ele me beijou, um beijo quente, como sempre foi, perguntou então se eu gostaria que ele fosse embora. Eu só respondi que se não quisesse ele aqui, não teria aberto o portão.

Ele então me abraçou, me deu mais um beijo e suas mãos começaram a percorrer meu corpo, de uma forma deliciosa, ele conhece o caminho, sabe exatamente como me tocar, como me acariciar, como me envolver em seus braços. Nossa respiração foi ficando cada vez mais ofegante, o desejo descontrolado, nossas roupas foram atiradas ao chão, deitamos no tapete da sala e ele passeou por todo meu corpo com sua boca, sua lingua quente, tudo me enlouquecia cada vez mais, minha bucetinha ja estava toda meladinha e ele logo veio pra cima, ficou entre minhas pernas, me olhou bem dentro dos olhos e meteu de uma unica vez, deixei escapar um grito alto mistura de dor e prazer, ele então iniciou um vai e vem delicioso, nossos gemidos ecoavam pela casa.


Agarrei ele pelos cabelos, e me levantei fazendo com que ele se deitasse, fiquei de cócoras sobre ele e comecei a cavalgar naquele pau duro, cheio de tesão, sabia que aquela posição fazia com que ele ficasse sem controle, me movimentava devagar pra que ele pudesse vem seu pau entrando e saindo da minha buceta, ele gemia tão gostoso, que não demorou muito a me encher com seu leitinho.



Fomos então para o quarto, e por ali ficamos a noite toda, bem acordados, matando aquela saudade toda, depois de tanto tempo separados. 

Ao amanhecer ele foi embora, não marcamos nada, não combinamos nada, optamos por deixar acontecer. E que aconteçam muitas e muitas outras vezes.




Uma semana excitante para todos

Beijos maliciosos

Deh




domingo, 29 de abril de 2012

Autoridade Máxima (por Derek Dick)



Era uma tarde de verão, sexta-feira, e Lucy acabara de pegar seu carro no lava-rápido. Seu destino era a praia da Enseada no Guarujá.

Ela já tinha colocado seu biquíni por baixo do shortinho e da regatinha quando fora buscar o carro e se divertiu ao ver o lava-rápido todo parar e babar por ela.

Fez tipo de durona, mas quando deu as costas riu muito, se sentindo poderosa. Percebeu até que seus mamilos ficaram durinhos de tesão e passou suavemente os dedos por sobre a regata.

Pegou a estrada. Adorava sentir essa sensação de liberdade. Usava óculos escuros e passou um batom vermelho vivo. Seu pescoço estava decorado com uma delicada correntinha de ouro com um pingente de cadeadinho.

sábado, 28 de abril de 2012

Um pouco de pet play =^.^= por {princess kitty}龍戦士 =^.^=


Ela vem andando em direção a seu Dono.

De quatro.

Lenta e rebolativamente.

Balançando o plug de rabinho colocado no seu ânus.


Ele está sentando no sofá. Usando apenas o roupão de seda preto com motivos orientais. A imagem da segurança em pessoa.

Ela dá lambidas em sua perna. Da canela até o joelho. Do joelho até a virilha. Ele está estranhamente quieto. Então ela arrisca a primeira lambida. Dá uma lambida grande em toda a extensão do seu membro. Uma, duas, três. Desce um pouco e abocanha uma de suas bolas, a suga delicadamente, faz o mesmo com a outra, e volta a lamber o pênis que está absolutamente duro. Ela quer abocanhá-lo, engoli-lo, sorve-lo. E assim o faz, começa a dar leves chupadinhas na cabecinha, brincando com a língua, sugando... e o abocanha inteiro, começa a chupá-lo avidamente, como se sua vida dependesse daquilo. Então Ele segura sua cabeça, e a aperta contra seu pênis, tirando seu ar, ela sufoca, se debate, e Ele adora, mesmo sufocada, ela continua sugando-o, com toda vontade... de repente ela para... levanta a cabeça... e uma bofetada acerta seu rosto, quente, ardida, e a voz imponente: "Quem mandou parar?" Ela se sente envergonhada... mas Ele a segura pelos cabelos e a força novamente contra seu pênis, e ela recomeça a suga-lo, sorve-lo, deliciosamente, até que a sua boca é invadida por aquele leite quente, que ela engole todo, sem perder nem uma gota...


Então ela volta... ainda de quatro, pra sua caminha de gatinha, e se deita, toda enroladinha, esperando seu Dono ter vontade de usá-la.

Ela dorme. Acorda com as mãos do Dono acariciando seu cabelo, e lhe dizendo: “Hora da gatinha brincar com o Dono". Ela levanta prontamente, colocando-se de quatro, esperando a próxima ordem.

Ele coloca uma tigelinha com leite em frente à caminha e diz: "Beba." Ela tenta pega-la com as mãos, mas Ele a repreende dando um tapa em sua mão dizendo: ”Não.” Ela resmunga algo como: “Mas Sr quero beber". Ele responde: “Então beba como aquilo que você é: Meu animalzinho de estimação. Vamos!" ela abaixa a cabeça e começa a lamber o leite... de vez em quando olha para cima e o vê a observando com um sorriso satisfeito...  enquanto ela bebe o leite Ele mexe no corpo dela, dá apertões, beliscões, passa a mão, ela já está molhadíssima outra vez, completamente excitada e morrendo de vontade de ser usada pelo seu Dono...


Ele coloca a guia da sua coleira e a faz andar de quatro puxando-a até a cama, então ordena: “Suba na cama e mantenha-se na sua posição de gatinha, quero ver se seu rabinho está bem colocado.”

Ela se move e sobe na cama como um animalzinho desajeitado... e se põe de quatro, empinando bem o bumbum, como a gata no cio que ela é.


Ele passa as mão no seu bumbum, alisa os pêlos do plug, e o empurra fortemente em seu ânus, fazendo-a soltar um gritinho... “ Parece que está bem colocado...” e no mesmo instante enfia os dedos no sexo molhado dela, que começa a fazer movimentos de vai e vem querendo sentir mais e mais os dedos do seu Dono... “ Calma minha gatinha” ela continua a querer se mover e esfregar seu sexo no seu Dono. Ele pressiona seu clitóris, a excita, brinca com seu bichinho no cio... Então ele retira os dedos e com as mãos abre bem o sexo dela, expondo-a e a deixando envergonhada... Ela é uma gatinha molhada, empinada, aberta e excitada. Ela ronrona, geme de antecipação quando sente o sexo do seu Dono encostando na sua vagina. Ele esfrega, brinca, a enlouquece.  E então a penetra, preenchendo-a com seu membro, penetrando-a fortemente, puxando a guia da sua coleira, fazendo-a sentir-se ainda mais seu animalzinho. Ela adora ser usada assim, mia de prazer a cada investida do seu Dono no seu corpo de gatinha, e quando atingem o clímax ela nada mais é do que isso: Um animalzinho no cio, querendo satisfazer seus instintos primitivos.

Quando acaba, Ele não precisa dizer nada, ela desce da cama, ainda de quatro e se acomoda na sua cama de gatinha ao lado da cama do Dono, se enrola, sente as mãos do seu Dono acariciando novamente seus cabelos, e adormece feliz por ser o que é: O bichinho do Dono.


Talvez algumas pessoas não entendam esse conto, não entendam onde está o prazer em ser um “bichinho de estimação”, mas qual homem, por mais moderno e liberal que seja, nunca fantasiou em ter uma mulher como um animal de estimação, em que ele pudesse mandar e satisfazer todos seus desejos com ela a hora que quisesse e depois dar a ela apenas um afago em sua cabeça? Para as mulheres talvez seja um pouco mais dificil se imaginar nessa situação, mas sentir o prazer de ser um “animalzinho”, sim, é humilhante, mas também muito excitante e traz uma segurança difícil de explicar, algo que apenas a fantasia em se sentir propriedade, aquela segurança em saber que pertence dá. Não são todas mulheres que se excitam com isso, mas para aquelas que têm esse sentimento dentro de si, ser o bichinho de alguém é algo extremamente prazeroso.

Pra terminar deixo um dos meus vídeos favoritos de pet play:

video

Miaubeijos =^.^=

sexta-feira, 27 de abril de 2012

Pra lá da flor da pele (por LadySiri)


Navegar por fora e por dentro
Dos sonhos mais estranhos
Encarando o próprio monstro
Das entranhas sociais
O que é meu e o que é dela?
Me equilibro no topo do mastro dos meus pensamentos
Na esperança de enxergar mais longe,
 no horizonte dos meus sentimentos
Aquieto a mente, a alma fala, ela voa, ela dança, ela canta
Acendem-se luzes de cores fluorescentes das teias flutuantes
Ligada a tudo, em tudo
Percepção pra lá da flor da pele
Roda viva, candeeiro encantado
tudo faz sentido sem explicação
Explicação pra que? 
Se tudo é tão inexplicável para o sentir...para o fazer parte, 
para o apenas SER o que se É.


quinta-feira, 26 de abril de 2012

"A Mudança" - Por Sexy Butterfly


Marina e Pedro estavam de mudança marcada.
Foram até a casa nova cuidar da limpeza e alguns detalhes da infra estrutura – lâmpadas, metais, acessórios... Terminado o serviço, sentaram no chão do futuro quarto para descansar um pouco.
Marina num short jeans curtinho, regata coladinha ao corpo, sentou-se encostada à parede de pernas dobradas. Abraçou os joelhos e olhou sorridente para Pedro, que lhe trouxe um copo d´água.
Enquanto ela bebia, Pedro beijou-lhe o ombro e percebeu que ela ficou arrepiada. Tomou o copo de sua mão e deixou no chão ao seu lado. Segurou o rosto de Marina com as duas mãos e a beijou longa e ternamente.

“Daqui há alguns dias estaremos aqui, nesse quarto, nus em nossa cama, com nossos corpos enroscados” – Pedro disse, já deslizando suas mãos por dentro da blusa de Marina.
“Mas por enquanto, não temos cama nem colchão!”
E mostrando que isso não era problema, Pedro tirou sua camisa e a bermuda e colocou no chão. “Precisamos estrear essa casa...”
Deixou uma playlist de Beatles rolando no celular e Marina rendeu-se ao tesão que tomava conta de seu corpo apesar do cansaço.
Ao som de “Strawberry fieldsforever”, os dois corpos rolaram pelo chão frio do quarto. Bocas e mãos se tocando e explorando os corpos. As janelas todas abertas por causa do calor, sem cortinas. Tudo silencioso na vizinhança, antevéspera de Natal... os gemidos e a respiração arfante dos dois ecoavam pelas paredes nuas. Estariam os novos vizinhos ouvindo a grande estréia da casa?
E o ritmo aumentou quando começou a tocar “Come together”... Marina se encaixou sobre o cacete de Pedro e rebolava no ritmo da música, ele segurando-a pela cintura e metendo a pica de baixo pra cima.

“Come together, right now! Over me...”

Marina gozou e riu da coincidência com o momento da música! Pedro a colocou de quatro, sem nem se importar com os joelhos dela esfolando e passou a comer a bucetinha desse jeito. “Day Tripper” tocava naquele momento e o som provocado pelas estocadas de Pedro se confundiam com a bateria no refrão. E Pedro gozou, puxando Marina pelos cabelos!

Precisaram testar os chuveiros... Funcionamento perfeito!
Voltaram para o “quase-ex-apartamento” relembrando momentos que viveram ali. Momentos diversos, tristes, felizes... transas apaixonadas, trepadas vorazes...

“Puxa! Vamos mudar e nem usamos as escadarias de serviço do prédio, todos esses anos!” - comentou Pedro.
“Não seja por isso...” E Marina levou Pedro pela mão até o hall de serviço. Vizinhos viajando. Moram no último andar do prédio, dificilmente alguém subiria ali naquele horário. Ela o surpreendeu! Pouco tempo atrás isso seria totalmente inesperado por parte dela.
Pedro apoiou Marina de costas contra o corrimão e já foi novamente atacando seus seios, enquanto ela esfregava a mão por cima do pau já saliente dentro da bermuda. Ele arriou o short de Marina, a calcinha e enfiou seus dedos na bucetinha molhada, metendo e massageando o grelo. E quando Pedro sentiu que Marina estava prestes a gozar, meteu a língua e sorveu todo o mel vindo daquele gozo.

Agora sem música, vinha na cabeça de Marina “I want you (She´s so heavy)” e ela começou a cantarolar baixinho para Pedro, enquanto tirava o seu pau de dentro da bermuda e punhetava... e beijava... e chupava, lambia... cantava mais...e repetia tudo... Até Pedro gozar em sua boca e ela beber de seu leite.
Abraçaram-se e riram, numa cumplicidade infinita.
Agora sim, estavam prontos para a mudança. 


*** Para curtir a trilha sonora dos Beatles, basta clicar nos links dos títulos das músicas!

***Borbs novamente em clima de "mudança", semi coectada... Mas ainda viva e de olho na Nau, mesmo de longe... Beijos borboléticos para todos!

quarta-feira, 25 de abril de 2012

Sim, Nós somos!


Eu poderia começar este post com frases do tipo:
“A sensualidade embriagava o ambiente”, ou “Toda a luxúria do mundo cabia naquele quarto”. Mas não.
Hoje não.
Apesar da nossa Nau não ser o local mais apropriado e de este IN_ não ser um expert no assunto, quero falar sobre comportamento. Sobre o que leva certas pessoas a praticarem a Umbigocracia (Prática política onde cada gesto gira em torno do próprio umbigo). Eu creio que todos nascemos doces e crédulos. Acreditamos no próximo e dedicamos carinho e credibilidade a quem quer que seja, até que esta pessoa nos prove que não é merecedora de tal.
Pessoas vivem em grupos desde os primórdios. É preceito básico da raça humana e com a evolução aprendemos a conviver com os diferentes em harmonia.
Mas há diferentes que se sentem tão diferentes que o espelho machuca-os, a felicidade de outrem é intragável. É justamente estas pessoas que são Umbigocratas e é à elas que eu me dirijo.
Queria que soubessem que esta tripulação é unida e que, apesar da virtualidade somos uma família, que nosso instinto de proteção do grupo vai além. Que sabemos identificar entre os teoricamente semelhantes, aqueles que não o são. Que sabe-se lá porque, levam mensagens cifradas à terceiros e instigam uma inexistência de paz nesta nossa blogosfera.
Este In_Correto sempre teve na web um lugar para encontrar amigos, conviver com eles e sair um pouco desta realidade louca e que tanto nos cobra uma postura que cada vez mais nos afasta de nossa essência.
Então, para aqueles que convivem entre nós e não sentem-se da família, saibam que eu não os repudio. Apenas sinto pena, pois todos foram convidados por algum membro que os admirava ou ainda admira e que as mesmas portas que estavam abertas para recebê-los podem vir a fecharem-se ou deixarem passar uma luz da qual ainda não sentiram o calor.
Não quero pregar moral de cuecas, mas sim dizer apenas que:
Sim, nós somos uma grande família de amigos;
Sim, nós somos pessoas que não desejamos o mal do próximo;
Sim, nós somos o povo da Nau.
E isso ninguém, jamais nos tirará!

Beijo do IN_

terça-feira, 24 de abril de 2012

Banho de Língua no Banheiro

  


Banho de língua no banheiro

Dois dias que eu e Eduardo; meu namorado estávamos brigados. 
Eu estava com o tesão à flor da pele... precisava trepar...precisava gozar...Eu já havia a encontrado algumas vezes no banheiro feminino da empresa. Ela tinha um bronzeado que durava o ano inteiro, cabelos longos presos em um rabo de cavalo. Não tínhamos amizade, mas sempre que me encontrava ela dava uma piscadinha ou sorria enquanto me cumprimentava. Os rumores dentro da empresa era de que Cassandra era bissexual. As fofoqueiras e fofoqueiros de plantão diziam que havia desistido definitivamente do sexo masculino e que agora só queria saber de mulher. E assim eram os rumores. Fazia um calor insuportável, já estava chegando ao final do expediente. A maioria já havia ido embora. Decidi ir até o banheiro me refrescar um pouco antes de ir embora para casa. Estava jogando água no rosto quando senti uma mão apalpar minha bunda e apertá-la. Dei um pulo pega de surpresa e fiquei sem ação ao ver Cassandra pelo espelho do espelho.
- Olá, está calor, não? Te assustei?
- Um pouco...
- Um pouco, o quê? Calor ou o susto?
- Os dois - respondi rindo e sentindo um arrepio percorrer-me eriçando os bicos dos meus seios e me deixando sentir o melzinho na minha calcinha...
-Nossa, menina ficou arrepiadinha? falou olhando com um sorriso bem sacana para os meus seios que pareciam dois faróis na blusa de seda.
- Estou à flor da pele...Briguei com meu namorado... 
- Quanto tempo está na secura?
- Só dois dias....mas, me parece uma eternidade.
- Imagino...já reparei em você....Você transpira sexo.
- Pára com isso, Cassandra. Não é bem assim....só me excito fácil.
- Excitada hein, tipo molhadinha?
- Sim, me excito facilmente...
- Então vem aqui dentro se lavar, vem - e com um puxão me arrastou para última cabine do banheiro. Ao entrarmos naquele cubículo, ela empurrou-me em direção da parede e me beijou....eu não queria sentir nada, pois nunca havia transado com uma mulher por mais sedutora e bonita que fosse....Mas, ela era muito boa nisso. Enfiou sua lingua dentro de minha boca, com uma perna entrou entre as minhas pernas, levantando minha mini-saia para cima, deixando minha calcinha à mostra...desabotoou os botões da minha blusa, abaixou meu soutien , fazendo meu seios redondos e cheios pularem para fora. Com os lábios, língua e dentes, chupava, lambia e mordiscava os meus seios, minha xoxota molhando cada vez mais minha calcinha. Com o joelho ela esfregava minha xoxota...
- Você é uma delícia....ronronou.
- Voce vai tomar um banho de gato, tesão. Minha respiração estava ofegante, meu batimento cardíaco acelerado, comecei sem querer a gemer e a esfregar também minha xoxota naquele joelho, pensando em um pênis duro e gostoso me penetrando com furor até o colo do útero, era só o que queria...Mas aquela mulher era um demônio e como falava obscenidades no meu ouvido, mordiscava minha orelha, lambia meu pescoço. Abaixou-se na minha frente e com delicadeza desceu minha calcinha enquanto beijava minhas pernas, coxas .
- Me mostra a engraçadinha, vai... 
Minha calcinha tinha uma mancha úmida. Minha mente começou a viajar. Cassandra iria me fornecer alimento para o corpo, mas meu espírito estava bem longe dali. Sua língua encontrou meus grandes lábios.
- Vou enfiar fundo em voce....quero meter em voce....quero te saborear, te chupar todinha, te comer todinha.
- Sim...me fode....mostre o que uma mulher é capaz, sua piranha....me faça gozar....
- Eu te quero há muito tempo.
Ela me lambia com sofreguidão, sua lingua parecia querer ir bem fundo dentro de mim...eu já não tinha mais controle....comecei a rebolar os quadris, enquanto sentia meu gozo escorrer...Ela massageava meus seios....foi descendo em direção ao meu ventre, até que enfiou a cabeça entre minhas coxas e enquanto chupava meu grelinho, mandava eu rebolar ....eu virava a cabeça sem parar, enquanto ela me fazia gozar.
 - Aaaaaaaaaahhhhh...Uhh..hummmmm...

De repente ela segurou meus quadris com as suas mãos enquanto me chupava sem parar....enfiava a língua dentro da minha xoxota como um pênis. 
- Eu vou te foder...Você vai gostar tanto, que vai querer mais...Essa não será a primeira vez, sua putinha gostosa e molhada! Meus fluidos escorriam sem parar...eu nunca imaginava que uma mulher me faria gozar tanto assim.


 
- Pena que aqui é pequeno....ela dizia sem descuidar um minuto da minha xoxota.
- Chupa, vai...sua puta safada, vamos...me come...
- Eu quero me lambuzar nesse mel...
- Ahhh...isso é tão gostoso...ahhh...
A única temperatura que eu conseguia sentir era a da minha vagina.
- Você está me deixando louca...
- Você ainda não viu nada, putinha.- De repente tive um orgasmo fazendo quase apertar sem fim a cabeça de Cassandra que estava entre minhas pernas molhadas e quentes....Demorei um pouco para me recobrar...ela lambeu os seus lábios, olhando para os meus olhos.
- Eu vou te foder ainda....vou enfiar meu consolo em você até o seu colo do útero, vou estocar que nem um macho sem dó....Eu vou te comer ainda....vou te matar de tanto gozo....que você nem vai lembrar do seu namorado....Você ainda será minha, eu prometo.

E como se nada tivesse acontecido ela levantou-se, se recompôs, passou um lenço umedecido no rosto, passou batom nos lábios ,deu um tchauzinho e foi embora, me deixando totalmente sem acreditar no que havia acontecido.
Descabelada, com a blusa totalmente desabotoada, os seios de fora, as pernas abertas e o meu mel escorrendo entre as pernas; após um banho de língua inesperado e delicioso...






Escrito por Ayesk@

segunda-feira, 23 de abril de 2012

Não é o Meu Dia. Mas,...


Eu tinha que vir fazer esta homenagem à minha Feiticeirinha querida. Houveram dias não tão fáceis, mas amizade verdadeira não quebra a-toa. Sinta-se homenageada por todos Dehzinha!


Palavras da própria Feiticeirinha: São Paulo, Brazil
"Sou mulher indecifrável menina atrevida... A chama acesa, da paixão ardente, uma fada a te encantar... Sou uma feiticeira audaz e misteriosa que toma conta de seus pensamentos... Aposso-me de suas vontades, desperto teus desejos insanos... Em minha boca saliente, meus lábios ousados, insaciáveis envoltos em vermelho, cor de pecado em sua pele nua, quente, proferem carinhos... Sou mulher indecifrável e poucos saberão decifrar meu ENIGMA. Por que esse mistério? Porque se soubéssemos de tudo, a vida não teria graça.
Por que Feiticeirinha
Eu explico: É uma brincadeira nossa, algo que vem de tempo e é muito gostoso ser amigo desta mulher fantástica. Quem ainda não a conhece (eu acho difícil), deveria dar uma passadinha urgente lá no cantinho desta guria. Ela é sensacionosa.

Beijos Dehzinha, este Pajé adora vc!

Doce SurpresA




Hoje faz um friozinho gostoso por aqui e a chuva cai de mansinho, ja passam da 1h da madrugada e eu aqui pensando...pensando...

Não tive um dia agitado hoje, como tem sido ultimamente, foi um dia calmo, algumas coisas pra fazer e meus pensamentos são somente dele.
Ouço a chuva cair lá fora e por uma pequena fresta na janela pode-se sentir a brisa fria mas, aqui dentro o fogo toma conta do meu corpo.

Hoje mal nos falamos, apenas o necessário, saber como passou à noite, como andam as coisas, que fez de bom.... talvez porque o horario fosse ruim, talvez porque tivesse algo pra fazer....talvez....talvez

Quase duas da manhã e meu corpo consome de desejo.
Vou para meu quarto, deito-me, fecho meus olhos e imagino meu homem despindo-me aos poucos, sem pressa, peça por peça e assim fico completamente nua.



Suavemente ele beija meus pés e percorre minhas pernas e coxas.
Sinto o calor da sua pele o que aumenta ainda mais minha excitação e contrações.
Seus lábios deslizam minha barriga.
Delicado ele tira-me a blusa deixando a mostra meus seios rijos. E então nossos olhares se cruzam, aqueles olhos verdes brilhantes, contrastando com sua pele bronzeada.
Vejo sua boca quente a me devorar.
Sinto o sugar de sua boca fortemente.
Nossos gemidos ecoando no quarto, a cada gemido uma sensação nova, sinto pela primeira vez suas mãos adentrando meu sexo.
Êxtase total no seu vagaroso  vai e vem, me explorando.
Cuidadosamente toca cada parte  e seu ar desafiador quase me faz gozar. 
Como em um gesto de provocação, tira suas mãos de dentro de mim e leva a boca se deliciando com meu mel.
Sinto minha buceta pulsar como se quisesse explodir.
Ele nem tinha feito quase nada eu já me derramava, inundando minha cama ao seu toque.

A campainha toca. 
Me assusto.
Olho na janela, agora chove forte lá fora.
Nem vi  em que momento ela começou.
Me visto apenas com uma camisa e corro atender a porta. 
A esta hora somente alguem conhecido poderia estar ali.
Abro a porta e, para minha grande e imensa surpresa, lá está ele.




Ele apenas me olha e sem dizer nada me toma.
Sabe o que eu quero.
Me lança no sofá e sentindo meu cheiro de fêmea deduz o que eu estava fazendo.
Safado, apenas sorri e adentra meu sexo com sua boca e extrai de mim o que já estava por explodir.
Extrai de mim as maiores gemidos, gritos e palavras desconexas, que se misturam o barulho agora de uma grande tempestade.





Uma SeMaNa cheia de doces surpresas
 para Todos Nós

Beijos gostosos

Deh

domingo, 22 de abril de 2012

Compras no shopping

Alicinha havia saído naquela tarde de sábado para fazer compras. Teria uma festa de aniversário naquela noite na Josefine, uma casa noturna maravilhosa, com programação variada e alternativa.


Ela adorava se produzir para dançar e queria uma roupa nova que a deixasse bem sexy. Foi até o BH Shopping pois tinha certeza que lá encontraria o que precisava.  Tinha ido bem cedo já que sabia que  gastaria horas nos provadores das lojas.


Passou primeiro na  Fruit de la Passion onde comprou um conjunto de calcinha e sutiã mínimos e transparentes. Aquele conjunto deixaria qualquer marmanjo babando de boca aberta. A vendedora da loja havia sido super atenciosa e já no caixa a convenceu a levar um óleo de massagem que esquentava quando friccionado contra a pele. Colocou-o rapidamente na bolsa e seguiu em direção a próxima loja.


Tinha visto uns jeans lindos na Siberian Woman. Entrou e começou a revirar todas as araras. Viu também umas camisas lindas. Com certeza levaria algo dali. Logo um vendedor se acercou e disse:


- Posso ajudá-la? Procura algo em especial?


- Sim. Procuro algo que me deixe linda pra uma festa hoje à noite. – respondeu Alice.


 - Temos lindas roupas aqui – disse o vendedor – mas vou lhe confessar que a tarefa de deixá-la ainda mais linda seria algo difícil realizar. Farei tudo ao meu alcance.


sábado, 21 de abril de 2012

Uma submissa atípica...

   Quando uma pessoa pensa em uma mulher submissa, normalmente pensa que ela seja fraca, muitas, a maioria até pode ser, mas esta não é uma regra, ao contrário.   Acho que existe uma confusão de interpretação, ser submissa por escolha não significa ser fraca, ainda mais se estivermos falando de BDSM.   Para se submeter ao conceito de entrega às vontades de um Dono é preciso ter personalidade forte para não sucumbir.
  
   Fora deste contexto as submissas do SM geralmente são mulheres fortes, que tomam decisões, que geralmente estão à frente de alguma posição em que se vêm como líder, pode até não ser explícito, como chefe de algum departamento profissional, mas lá estão elas liderando naturalmente alguma coisa, entre amigos, ou em casa mesmo, entre seus familiares.
   Submissas costumam ser ponderadas e educadas, não é uma regra, claro, não existe nada neste mundo que não tenha suas exceções, mas isto não as impede se serem seres pensantes e que em muitas vezes tomem a palavra com altivez e desenvoltura, as vezes colocando “a boca no trombone” quando se faz necessário “por ordem na casa”.   Costumam saber o seu ‘lugarzinho’ como diz a minha sábia e forte amiga Kitty, mas é exatamente por isto que sabem observar quando alguma coisa está fora de lugar.   Geralmente esperam que as coisas se acomodem sozinhas, isto muitas vezes acontece, entretanto pode não acontecer, pode ser que ela se veja impelida a tomar uma atitude.   É nesta hora que os que estão em redor se espantam, normalmente não se espera isto de alguém que é sabidamente submissa.  Este é um conceito superficial e falho.
   Por outro lado a agressividade de alguns, a ignorância e o ser incisivo em excesso, a arrogância quando pode optar por algo mais ameno, geralmente denota um esforço de esconder sua fragilidade, que aí sim é real.   A busca por estar sempre sob os holofotes é uma atitude que denota falta, carência e em ultima instancia, a fraqueza.
   Falando de forma pessoal, não gosto de tomar a iniciativa das coisas, prefiro esperar que as pessoas se enquadrem, gosto de dar o tempo necessário, contudo não tenho tanto pavio para esperar demais, sou impulsiva, explosiva (até que melhorei muito com os ensinamentos do Dono).   Tenho asco de falta de noção das pessoas.   Tenho defeitos como todo mundo tem, são as nossas falhas e o que nos torna individuais, confesso que tenho o maior preconceito de burrice, não daqueles que não tiveram a oportunidade de aprender a ler, por exemplo, mas quem disse que inteligência se ganha na escola?   Tem um monte de gente com canudo na gaveta e completamente tapada, que pensa que é esperta só porque estudou um pouquinho mais que a maioria dos brasileiros, ledo engano.
   Então, ser submissa não é sinônimo de apatia ou de burrice, não significa que se trate de alguém incapaz de tomar a iniciativa, de tomar partido por ver a injustiça a seu redor. 
   Quando se trata de submissa numa relação de Dominação/submissão então...   Ela precisa ser forte para suportar humilhações, dor e muitas outras coisas.   Claro, isto dá prazer a ela, mas é quase como tomar a decisão de fazer uma cirurgia arriscada demais, a gente sabe que precisa, que nos fará bem, que no final será prazeroso, mas ter a coragem para fazê-la, ainda mais correndo riscos altos é uma escolha que nem todos fazem.   Posso falar isto com propriedade, pois a minha mãe sabia que precisava operar um câncer no cérebro uns três anos antes do óbito, mas preferiu esconder o exame dentro do colchão e se calar.
   Talvez eu seja uma submissa atípica, sei que tenho personalidade forte, que me manter sob domínio é uma tarefa árdua, que não é qualquer pessoa, não é qualquer um que se julgue Dominador, é preciso ser mais forte que eu, não gosto de fingir que me submeto como um teatro, quero e preciso sentir que é de verdade.   Gosto de ter espaço, se ser livre para falar, pensar, me expressar sem me sentir sufocada.   Sei bem qual é o meu ‘lugarzinho’, não é preciso que me tratem como anencéfala e fiquem controlando os meus textos, pajeando quando vou ao chat, tendo acesso as minhas senhas e manipulando meu MSN, basta saber me interpretar e saberá como me manter cativa.   Saber fazer isto sem ficar no pé da sub é ser consciente de sua capacidade.
   Por outro lado sei que não estou sozinha, que tem muitas submissas de personalidade forte, que sabem se posicionar sem esquecer onde é o seu lugar.
   Quando pensarem numa submissa, não confundam isto com fraqueza, repensem este conceito, pois há muita gente fraca sob a armadura da arrogância e muita gente forte que com prazer se põe aos pés de quem ama.



Dorei Fobofílica.