quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Sem língua


Já chegou fechando a porta. Privacidade. Ninguém pra perturbar. Ele estava no comando. Colocou uma coleira de couro em seu pescoço. Ela adora quando ele faz isso. Fica a sua mercê e ele pode fazer com ela tudo que quiser.

Deitou-a na cama, segurou seu rosto entre suas mãos e beijou-a ternamente. Ela estranhou que apenas os lábios tocavam os seus e escorregou sua língua procurando a dele. “Nada disso. Sem língua hoje.”

Parecia o primeiro beijo, 20 anos antes... lábios desajeitados... com a diferença de que agora, as línguas sabem muito bem como trabalhar e já é impossível contê-las dentro da boca, quietinhas. Num ato desesperado, implorou pela sua língua! E ele resolveu satisfazê-la. Parecia então que não se beijavam há dias, desesperados pela língua um do outro.

Ele seguiu com o desafio. Dominador, conduzindo-a de acordo com suas vontades, chamou-a para percorrer seu corpo com sua boca. “Lembra: sem língua!” E ela, obediente, seguiu. Beijou seu rosto, pescoço, peito... mordiscou seus mamilos, somente usando os lábios. Chegou ao cacete duro, imponente e pensou que não iria resistir. Lutou bravamente com seu instinto e segurou a língua lá atrás, na boca. Envolveu o pau somente com os lábios. Brincou de arranhar de levinho com os dentes. Beijou. Chupou. Mas sem o uso da língua era impossível fazer aquele cacete grande, grosso, caber todo em sua boca como tanto gosta. Olhou bem pra ele e atacou. Língua a postos, aí sim teve tudo que quis daquele pau. E ele se deleitou com aquele boquete delicioso, mas...

“Eu disse que era SEM LÍNGUA!” Bravo, puxou-a pela alça da camisolinha pra que se deitasse de novo e arrebentou a costura. “Minha vez de novo.”

Começou a beijar todo o corpo dela e acenou positivamente com a cabeça quando ela perguntou se ainda era sem língua. Levantou a camisola e encontrou seus seios. Mordiscou e chupou os mamilos, sem usar a língua, e aquilo a fez sentir uma dor gostosa. Pediu mais. Ele olhou nos seus olhos, um sorrisinho sacana e desceu umbigo abaixo, até chegar na buceta já molhadinha. Pensou que ele não deveria resistir a usar sua língua pra chupar, mas ele mostrava-se decidido. Chupava os seus lábios vaginais e praticamente mordia seu grelo. Por mais que ela tivesse prazer com um pouco de dor, aquilo estava insuportável! Tesão e dor misturados e o desespero pela língua que não se manifestava. PRECISAVA da língua dele, mais uma vez implorou e ele concedeu o que pedia. Arrastou-se sobre o corpo dela, puxou mais uma vez a camisola e mais um pedaço se desfez, deixando os seios totalmente a mostra. Com a língua a postos, lambeu, chupou os mamilos e a deixou louca. Desceu novamente e meteu a língua na buceta. Seu mel escorria e ele sorvia cada gota. Ela gemia, respiração ofegante, queria mais, queria gozar com a língua dele.

“Você não foi obediente. Ficou pedindo língua, língua... Vai gozar sem língua pra ver quem manda aqui.” E enfiou dois dedos na buceta ensopada. Metia, metia, mais um... mais dois...meteu a mão toda e ela gozou enlouquecida. Ele tirou a mão com seu mel escorrendo entre os dedos e lhe deu para chupar.

Arrancou de vez a camisola arrebentada, puxou-a deitada para a beirada da cama. De pé, na frente dela, ergueu suas pernas sobre seus ombros e meteu o cacete na buceta inchada de tanto tesão. Ora ele a puxava pelos quadris, ora a segurava pelas pernas. Tapas na bunda e nas coxas. Ela passou a massagear seu rosto com seus pés. De vez em quando ele se inclinava sobre ela e a beijava sem língua, nos seios, na boca. Por várias vezes ele pensou que ela estava gozando e ela, por sua vez, se desesperava com o orgasmo que chegava tão perto e se afastava, tantas vezes... somente aumentando o tesão. Quando finalmente ela gozou, o fez tão intensamente que lágrimas rolaram pela sua face. E ele, em êxtase com o que via e com as sensações que estava experimentando com ela, com a massagem dos pés em seu rosto, gozou e se debruçou sobre ela.

Com o ritmo respiratório recuperado, ele tirou ternamente sua coleira e a beijou com carinho, com paixão, com tesão, com todas as línguas a que os dois tinham direito.

Não sobrou muita coisa da camisolinha...


11 comentários:

Lita S disse...

Descreveu tão bem como a privação aumenta o desejo, e como é deliciosamente insuportável esse acumular de ânsia pelo desfecho orgásmico! Parabéns Renata e beijinhos... inspirou para sensações a dois, que tardam em chegar, mais com encontro marcado ;o)

LadySiri disse...

Esse negócio de ordenar e privar o outro ainda me deixa loucaaa! Rss...Sabe que quando um casal me procura dizendo que o sexo entre eles está frio, não têm mais libido, eu recomendo a privação sexual. É tiro e queda! Eles ficam loucos para se comerem! Rsrs.

Delícia Borbs!

Beijinhos.

Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ Dorei Fobofílica Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ disse...

Borboletinha, quanta agonia foi me dando a espera da língua que era sempre negada, nossaaaaaaa

Que malvado! A língua é necessária, urgente e fundamental e a gente implora por ela se preciso for.

Deliciosamente descrita a privação!

Beijos em ti, Boroboletinha doce!

Eros e suas experiências. disse...

Que loucura deliciosa essa, fiquei aqui aflito e ao mesmo tempo excitadissimo, nossa que maravilha, Lady Siri maravilhosa como você é cruel rsrsrsrsrsrs adoro você


Beijos carinhosos

Bastardo disse...

Gostei de passar por aqui!

Deh... disse...

Uiii.... o que seria de mim sem a lingua....kkkkkk

Que loucura esse conto, amo lingua, quanto mais melhor....kkkk

Bjssss

Linda Fênix disse...

E não é que volto para a blogosfera e me deparo com uma cena dessa!!!

Guria, guria, que coisa mais picante de tirar o fôlego e ascender a imaginação... ahh essa imaginação... rsrs
Mas vou dizer, não vivo sem uma língua... ah não dá mesmo! rsrs

Beijos em ti, B.

Derek Dick disse...

É minha borboletinha, falar foi muito mais fácil do que fazer né?

Parece uma privação boba...mas foi muito difícil controlar....é muito instintivo...rsrsrs

Aguarde as próximas....

Beijinhos molhados (sem lingua)
DD

SexyButterfly disse...

Queridos
Pra resumir...como disse a Dorei a língua é necessária, urgente e fundamental. Mas o "exercício" da privação dela, fez com que tudo ficasse muito mais gostoso no final...

Obrigada pelos comentários!
Beijos borboléticos!

{Mansinho}_da Loirinha disse...

....E COMO VEZ BUTTER.... PQP EU AMEEEEEEEI.... SER PRIVADO DE QUALQUER COISA É UMA DAS COISAS QUE MAIS ME EXCITA... POR TODOS OS DEUSES DO BDSM.... QUANTO TESÃO....

AAAAAA E ESSA CAMISOLA HEHEHEHE.... SE ELA FALASSE EIM MINHA AMIGA RS.... E ELA ESTÁ FALANDO KKKK.... DELÍCIA DEMAIS....

BJS TRIPLOS E, REF. SUA FRASE NO POST DA AYESKA RS, NÓS TE AMAMOS CADA DIA MAIS TBÉM!!!! "CARNIVALE" PARA VOCÊS LINDONA....

INTÉ... SEMPRE....

EU SOU NEGUINHA disse...

Privação....é algo tão intenso,que me enlouquece...
Menina como adoro ler-te..
Beijos em ti