quarta-feira, 11 de abril de 2012

Waking up the Devil (Acordando o Diabo)

Algumas mulheres parecem não ter muito senso de perigo.... ou será que o tem de maneira tão aguçada que os riscos são sempre cirurgicamente calculados??? Deixo a resposta a vc, leitor(a)....



--------------------

Quase meia-noite... eu já na segunda dose... vodka... congelante... on the rocks para manter a temperatura... o pub está cheio, mas não intransitável... ainda...

Vc surge do nada. Como um anjo desfila por entre as mesas, suavemente... desliza em minha direção... aproxima-se calmamente, maliciosamente, um sorriso sedutor nos lábios...



"Eu sei quem vc é" - ela diz com os lábios colados ao meu ouvido... eu apenas abro um sorriso... ela disse a frase mágica... agora que se cuide...

'Mocinha, se você quer companhia hoje à noite, se precisa de um pouco de amor, eu posso te dar isso. Mas tenha cuidado com o que deseja, pois se estou na direção, garota, vai ser um inferno de um passeio'

E vc sorri novamente, um sorriso largo, sincero, resplandecente... mas no fundo é um sorriso sacana, pois sabe que me inflamou por dentro, sabe que foi a faísca para que o lado negro tomasse conta do meu ser...

'Vc despertou o Diabo
Que agora se agita dentro de mim
Eu sentia falta dele
Quando ele surge, viramos um inferno de um time
Eu sei que quando saio
Ele tranca e joga a chave longe
Mas com as mãos dele na direção e meus pés no pedal
Despertando o Diabo'

E eu, tomado pelo desejo, parto pra cima de vc. Imprenso-a contra a parede. Beijo-a. Sugo-lhe todo o ar. Minhas mãos percorrem seu corpo, perfeito. Elas param nos lugares certos, passeiam e provocam. Provocam e mudam de rumo. Provocam apenas o suficiente. Mas sempre provocam.

E te viro de costas, rosto colado à parede. A bundinha está nitidamente empinada, ainda mais que o natural, ajudada pelo salto altíssimo. Vc dá aquela reboladinha fatal... desesperadamente levanto seu vestido quase justo... hummmm... nada por baixo... apenas a visão do paraíso.... e, protegido pela semi-escuridão, eu me agacho e beijo sua bunda, mordisco, mordo, chupo.... e a língua busca o caminho certeiro.... e vc ajuda, abre um pouco mais as pernas até que a língua acerta o ponto... agora vc dança suavemente, e geme silenciosamente...

E a língua caminha um pouco mais para o outro ponto desejado... o ponto molhado, escorrendo um mel delicioso... que desce diretamente para a boca já desesperada, faminta, afoita... enquanto isso as mãos apertam a bunda, ajudando a abri-la ainda mais... e agora a brincadeira é de um ponto ao outro, e de volta ao primeiro... tesão!!!

Eu me levanto ao mesmo tempo que termino de tirar seu vestido... hummmm... nada por baixo embaixo... nada por baixo em cima... eu a viro de frente... seus mamilos rijos parecem implorar atenção... e são atendidos pela minha boca, que os suga generosamente, pacientemente... mordisca-os discretamente... e deixa-os para que nossos lábios se encontrem... pela primeira vez... mas como se fosse a milésima... tão poderoso, intenso e cúmplice é o beijo... um beijo que dispara toda da eletricidade acumulada... e a corrente percorre nossos corpos, sendo transferida de um a outro, sendo absorvida por ambos...

E já no auge do desespero vc abaixa minhas calças, me coloca sentado numa cadeira e vem por cima... vem de mansinho, ajeitando a posição... e se encaixa num impulso suicida... até o talo... e inicia uma dança com sua xaninha molhada engolfando meu caralho a latejar... sobe e desce.. rebola... faz caras e bocas... sorri para a plateia que começa a se aglomerar em volta... a semi escuridão ainda nos protege... a pergunta é se queremos ser protegidos...

Vc aumenta o ritmo... geme... mais alto... me morde, me arranha, me dá tapas, me beija, me alucina... mas o jogo ainda é meu, e meu é o comando...

Eu me levanto de um salto... com vc ainda presa a mim... não nos desvencilhamos quando te coloco na quina do sofá... posição perfeita... agora é minha vez de acelerar o ritmo... indo e vindo... rasgando... machucando... eu te beijo, mordo, chupo, sugo... arranco suspiros, gemidos e gritos... arranco palavras desesperadas, profanas, sacanas... palavras de amor mundano... e o ritmo se intensifica... e chega ao auge... e vc chega ao clímax... e eu aproveito pra te fazer olhar diretamente no meu olho quando está gozando... eu tiro toda minha energia dessa ligação carnal, mais do que pessoal...


E não deixo vc se refazer... quero mais... quero de quatro... quero um cuzinho... então te viro sem muita cerimônia, te coloco em pé, inclinada pra frente se apoiando no sofá... posição perfeita... vc concorda e abre as pernas, dá um tapa na própria bundinha, passa o dedo na xaninha, colhe o mel e lambuza o cuzinho com ele... dá uma olhadinha pra trás, em minha direção... lambe os beiços... provoca: "vai demorar, Cabeça de Abóbora?"....

Eu não demoro... já em estado de alucinação eu meto... meto... enfio... arregaço... soco... injeto... até onde é possível... até onde é impossível... acabou a brincadeira... agora a festa é só pra quem aguenta... e vc aguenta... muito... tudo... dentro... até o talo...

Sua cara de putinha deve estar linda e fazendo sucesso pq um marmanjo resolve se aproximar, já passando a mão no pau por cima da calça... vem pelo outro lado do sofá... quando chega perto começa a desabotoar a calça... põe o caralho pra fora, quase ao alcance da sua boca... vc faz menção de pegá-lo... mas aí o indivíduo olha pra mim, como que para pedir aprovação...

Aprovação negada!!!

'Eu não vim aqui procurando por uma briga
Mas se vc vai latir cara, é bom vc morder
Eu não tenho sido louco, realmente há algum tempo
Mas vc está prestes a precisar de um bom amigo hoje à noite'

Ele percebe meu olhar de fúria... recua... o demônio em mim não precisa falar nada... ele é possessivo.... esta noite ela é somente minha... unicamente minha... outro dia qualquer eu até posso dividi-la com um, dois, vários... mas não hoje à noite...

A intromissão não atrapalhou aquele anal delicioso, muito pelo contrário, só fez com que a fúria agora presente em mim fosse transferida para a trepada... hora daquela putinha ganhar uma palmadas por não ter se comportado adequadamente... kkkkkkkkkk.... mas eu não bato muito forte, somente o suficiente para ela delirar e pedir mais e mais... pedir mais vara, mais forte, mais fundo... e é atendida... sempre... os movimentos são meus, mas o comando é dela... sempre....


E o gozo vem, me consumindo por dentro, gritando e berrando... e ela vem junto... desesperada... gemendo e urrando... e quando acaba ela ainda consegue se virar pra mim... salivando... e me beija, me morde... me abraça, crava as unhas nas minhas costas... e continua a me beijar... um beijo alucinado, apaixonado, molhado... um beijo pra nunca mais ser esquecido...

Vc desaparece no nada... uma demônia que sabe exatamente o significado do desejo, da volúpia, da sensualidade... uma diabinha cujas regras são escritas a cada instante, no calor de cada momento íntimo...

E o meu diabo interno fica satisfeito... e quando passa o efeito do torpor de sua presença, vejo-me despido, suado, marcado, mordido, ligeiramente ensanguentando... em frente a uma plateia com os resquícios finais de interesse...

Volto pra minha terceira dose... vodka... congelante... on the rocks para manter a temperatura... exausto e, obviamente, extasiado.

============================================

http://letras.terra.com.br/hinder/1783438/traducao.html

============================================

Créditos imagens: http://eroticamenteincorreto.tumblr.com/archive
============================================

3 comentários:

Deh... disse...

Hummm.... esse conto está uma delicia, cheio de tesão, com muita pegada, sentimos cada detalhe da estoria.

Delicioso!!

É otimo te-lo por aqui,Sr.Fahrenheit

Beijos demoniacos

SexyButterfly disse...

Belo conto! Ótima música!
Beijos borboléticos.

Eroticamente (In) Correto disse...

Conto que eu compararia com nitroglicerina pura,...
Muito bom mesmo amigo.
Parabéns e obrigado pela visita!


Abs. do Capetão!