quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Cumplicidade


Thaís e Matheus foram convidados para uma festa muito especial. Ela ansiava por novas experiências, conhecer pessoas novas. Ele também, mas desejava mesmo era rever uma amiga muito especial.

Foram para a festa, numa casa de swing, cúmplices e excitadíssimos! Como ainda eram novatos, combinaram que um não deixaria o outro sozinho, a não ser que quisessem outras companhias.

Thaís flertava discretamente com alguns homens... sondava alguns casais com os olhos... E encontrou um homem que realmente desejava, mas não detectou sinais que mostrassem que o desejo era recíproco.

Matheus, por sua vez, admirava as mulheres, todas em suas saias curtíssimas, decotes insinuantes, mas dividia-se mesmo entre o tesão pela amiga e pela sua mulher. Juntas então... Era tudo que ele queria, mas sabia que nenhuma das duas estava no clima naquela noite.

Dançaram muito, beberam, beijaram outras pessoas. E num belo momento, não sabiam o que fazer com seus desejos. Thaís queria estar nos braços de outro homem. Matheus queria estar nos braços da amiga. Conversaram. Ela sabia que alguns homens a desejavam ali, mesmo que não fosse o escolhido por ela. Thaís liberou Matheus, sabia que não ficaria sozinha muito tempo.

Matheus se afastou, foi procurar sua amiga e parou na entrada da pista de dança. Apaixonado que era pela esposa, quis se certificar de que ficaria bem. Observava Thaís, que dançava. Um rapaz se aproximou e começou a dançar com ela. Logo os dois estavam enroscados na pista de dança. As mãos exploravam os corpos um do outro. Nesse momento, Matheus sabia que podia sair dali.

Jean, o novo amigo de Thaís, a beijava no pescoço, acariciava seus seios e falava safadezas no seu ouvido. Saíram da pista de dança em busca de privacidade. Àquela altura, todos os quartos e cabines estavam ocupados. Mas o tesão e o desejo eram tantos que acabaram se jogando no sofá de um dark room. Pra quê privacidade, afinal?

Matheus e a amiga também buscavam um lugar pra se enroscar. E lógico, acabaram no dark room, mas o sofá já estava ocupado por outro casal... Ficaram ali, observando um pouco, e assim que reconheceram os protagonistas do show que acontecia ali, saíram de fininho.

Thaís viu que Matheus a observava. Ele, a amiga e mais um bocado de gente. Isso deixava a situação ainda mais excitante! Logo Matheus saiu dali e ela nem percebeu. A sensação de se entregar a um homem totalmente desconhecido, na frente de estranhos, de seu marido... Um verdadeiro "show". Vários homens em volta, vendo, se masturbando com a cena, oferecendo seus paus para que ela pegasse, chupasse. E Jean...ah! Jean...Tão diferente do “seu tipo” de homem! E tão gostoso! Grande, forte e ao mesmo tempo gentil e carinhoso. Beijo gostoso, pegada certeira, metida poderosa. E Thaís gozou na boca de Jean. E depois, com o pau.

Quando Jean gozou, ficaram mais um pouco ali, se enroscando. A “platéia” se dispersou e os dois começaram a se recompor. Thaís levantou do sofá como se nada tivesse acontecido. A atriz pornô desaparecia ali de seu público. Pensou onde arranjou coragem pra fazer tudo aquilo. Teria sido a tequila? A vodka? Ou simplesmente o fato de ter aprendido a não mais reprimir seus desejos? Ficou com a última opção e saiu, poderosa, mas natural, como se nada tivesse acontecido, ao encontro do marido.

Matheus não apareceu tão cedo. Encontrou Thaís a sua espera no bar. Sorriram, se beijaram, voltaram pra pista de dança, mais uma vez cúmplices. Os amigos nada comentaram - também estiveram bem ocupados.

De volta pra casa, já com o dia amanhecendo, o casal conversou sobre as experiências daquela noite. Uma conversa incendiária, que como tantas outras, acabou em sexo apaixonado.
Muitas coisas ainda aconteceram nesse novo caminho que escolheram e outras tantas ainda vão acontecer, enquanto houver cumplicidade.

5 comentários:

Eroticamente (In) Correto disse...

Cumplicidade é uma palavrinha tão simples e ao mesmo tempo tão rara. Espero que o casal do conto não se perca e que tudo venha a somar entre ambos. Pois viver "tudo" a dois é algo que ainda sequer nome tem.

Estou feliz com atua chegada guria. Agora é oficial. Bem vinda a bordo!

Beijo do IN_

Eros e suas experiências. disse...

Cumplicidade é tudo In correto mas tem uma coisa entre os dois que faz essa cumplicidade respeito e amor um pelo outro, acho que o melhor exemplo disso é o casal Renner e Suzy do Corno da Suzy, admiraveis pelo estilo que levam, e no caso do casal do relato, sim que nunca se percam pois é maravilhoso curtir tudo junto.

Parabéns

EU SOU NEGUINHA disse...

Cumplicidade..
Quando se tem,sempre acrescenta...sempre...
Beijos menina linda e adorei te ler aqui

{Nega}_(V)ARQUÊSdeSADE

{Mansinho}_da Loirinha disse...

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA..... "NO VAI E VEM DESSES QUADRIS..." EU QUERO BIS RS!!! PORQUE SEMPRE ONDE TEM CUMPLICIDADE EXISTE BIS LINDA BUTTER.... PQP QUE DELÍCIA DE CONTO... SENDO TEU FÃ SEMPRE SUSPEITO MAS (PAUSA)......... AAAAAAAAAAAA QUE TÁ PASSANDO UMA MÚSICA RSRSRS QUE EU AMO Q QUE TEM TUDO HAVER RSRSRS....

...É.... FIQUEI DE PAU DURO BUTTER (#PRONTOFALEI!)

É EXATAMENTE ISSO RS... (COM CUMPLICIDADE) "...Se joga na primeira ousadia, que tá pra nascer o dia do futuro que te adora..."

....BJS TRIPLOS.... INTÉ... SEMPRE...

Deh... disse...

Perfeito Sexy....

Cumplicidade e respeito sao palavras chaves para o sucesso de uma relação.

Seja muito bem vinda, viu!!

Bjsss gostosos pra ti