segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Paixões Virtuais (by In_Correto)

Eu venho me perguntando já a algum tempo, o que nos leva a procurar virtualmente, o que por certo nos é dado pessoalmente. Eu sei que fatores como a introspecção, decepções anteriores, a busca da pessoa ideal e acima de tudo a carência afetiva contam muito. Mas também é certo que relações virtuais tem prazo de validade e etapas sabidamente definidas. Logo, com o passar do tempo, se não acontece o contato físico, a relação, independente de sua intensidade, tente a esgotar-se em si própria. Está fadada ao fracasso e, por consequência, a novas decepções, só que desta vez em outra esfera, a virtual.
Eu encontrei esta matéria que é resultado de um estudo, no site http://www.psicoinfo.com.br e a transcrevo abaixo, esperando que de alguma forma você se veja nas entrelinhas e possa corrigir alguns desvios de percurso, caso eles hajam.


      A paixão virtual é um estado alterado de consciência, em que a pessoa concentra suas energias numa fantasia. Apaixona-se pelo sentimento, pela felicidade, pelo sonho, muito mais do que pela pessoa real. Na paixão não se vê os defeitos ou os problemas referentes ao ser amado, vê-se apenas o estado de graça, o prazer. Principalmente nesses casos de paixão virtual, as pessoas apaixonam-se mais por si mesmas, pela sua capacidade de seduzir e se envolver, do que pelo outro. Não estando em contato direto com o amado, a paixão que acontece é apenas um reflexo : "eu me apaixono por estar apaixonado", "eu me apaixono por uma sensação" em oposição a "eu me apaixono por uma pessoa".

      A sensação principal que leva a esse sentimento de paixão virtual é o desejo da aceitação. Ama-se aqueles que nos aceitam e nos tratam bem. Ama-se a sensação de ser bem tratado. Não importa a idade, a aparência física, os defeitos ou dificuldades que o outro tenha na vida cotidiana: só o que importa são os momentos de prazer quando se está em contato, seja através de mensagens ou de chat. E essas paixões, por existirem apenas no mundo da fantasia, se tornam às vezes ainda mais fortes que nas relações reais, uma vez que só se vê no outro e só se mostra o que se quer.



      Virtualmente, não existem pessoas feias. Basta ser simpático, que nossa imaginação já transforma o outro em bonito, agradável, sensual. A sensualidade está nas palavras, não nas atitudes reais. Todas as mulheres são bonitas e todos os homens são carinhosos e sensuais, porque isto é o que buscamos no outro. É por essa imagem que acontece a paixão. Apaixona-se pelo que o outro " aparenta ser", não pelo que é. E, através da comunicação virtual, é muito mais fácil preservar o ego, mostrar apenas o que se decide mostrar. Apenas o convívio desmascara. E aí, quando as máscaras caem, é que se conhece a verdadeira pessoa e podem acontecer as desilusões. A diferença fundamental com os encontros reais é que é possível manter a imagem por mais tempo. Por outro lado, os encontros virtuais são muitas vezes tão intensos, podem ser tão ricos, que depois de alguns dias de contato entra-se geralmente numa intimidade que a maioria das pessoas não se permite nos contatos pessoais.



      O fato de as pessoas não se exporem visualmente facilita ainda mais a abertura das emoções. Ao contrário dos encontros pessoais, em que a espontaneidade conta muito, nas mensagens via Internet a pessoa pode repensar suas palavras, usar citações de poesias ou elaborar o texto para surtir maior efeito. A máscara, inevitavelmente, se forma. Mas, ao contrario da vida real, em que a aparência física é o principal chamariz e só depois se vai ver o que há por dentro, nas relações virtuais primeiro se tem contato com o intelectual, depois com o emocional e afetivo... e só depois, às vezes, com o físico.

      Nas relações virtuais as pessoas buscam e encontram companhia, cumplicidade, carinho, não importa muito o sexo ou condição econômica do interlocutor. Os limites físicos (corporais e de distância) não existem.

      É o local onde "almas gêmeas" se encontram, onde se abrem as emoções, onde se encontra sempre carinho e aceitação.

      Nunca foi tão fácil se aproximar das pessoas. As "amizades" surgem de um dia para o outro, basta se estar aberto a elas.



      Algumas pessoas se aproveitam do anonimato para criar um personagem, ou seja, mostrar-se diferente do que é. Esse diferente nem sempre quer dizer uma mentira: muitas vezes a pessoa se mostra como gostaria de ser, mostra um lado seu reprimido. O tímido se transforma em eloqüente, o feio em galã, o velho em jovem, o gordo em elegante. Embalada pela fantasia, a pessoa vende uma imagem ideal, a qual, enquanto está travestido, chega a acreditar ser.

      Esse, acaba se tornando o principal motivo das decepções no momento do encontro pessoal: cria-se uma expectativa de que o outro seja aquilo que mostra, e essa imagem nem sempre corresponde à realidade.

      Essa imagem ideal também pode ruir antes do contato pessoal, por causa de uma fofoca, ou de pequenos problemas de relacionamento on-line. O problema maior, em geral, não está na pessoa que transmite sua imagem, mas na que gera falsas expectativas.



Participe do questionário!
As respostas serão encaminhadas diretamente para a Psicóloga Luciana Nunes que está desenvolvendo um trabalho de pesquisa relacionado ao tema.
Parte superior do formulário

1. Para as pessoas com relações estáveis off-line: Você considera “traição” as relações virtuais?
2. Você se apresenta on-line com a imagem e identidade off-line?
3. Você se considera uma pessoa extrovertida e sociável off-line?
4. Qual o profissional que você procuraria para te ajudar e orientar sobre a dependência a internet?
 Psicólogo
 Psiquiatra
 Assistente social
 Filósofo
 Outro. Qual?   
5. Algum comentário? Gostaria de contar a sua história?
6. Gostaria de receber uma resposta da sua participação pela Psic. Luciana Nunes? Caso positivo para qual e-mail enviar?

Parte inferior do formulário
A pesquisa pertence ao site acima citado, mas acho interessante e por isso a postei aqui.



Espero que de alguma forma este artigo tenha sido útil.




(In)Correto

9 comentários:

Satyro disse...

Não preenchi o questionário porque parti do pressuposto que o mesmo seria para ser preenchido, exclusivamente, por pessoas que procuram algum relacionamento, ainda que virtual, na Internet. Se estiver errado, agradeço que me corrijam, pois terei todo o gosto em participar no mesmo, ainda que a minha passagem por aqui seja unica e exclusivamente, para devanear e me divertir, uma vez que não busco qualquer tipo de relacionamento.

Eroticamente (In) Correto disse...

Amigo Satyro, o questionário fazia parte da matéria que transcrevi e não do post em si. Nós, do DB não teremos acesso a ele. O que eu quis mostrar é que é um assunto sério e tem gente pesquisando com seriedade.

Abs. e obrigado por comentar. Adoro esta interatividade com todos.

JK disse...

Caro Capetão!!! rs

Assim como na vida, paixões são paixões. E depende de maturidade para se ter prazer ou sofrer.
VIRTUALMENTE é quase a mesma coisa. O que diz o texto é bem interessante e explica exatamente o que e como acontece...
Em tudo, há que se saber discernir...
Gostei do post!
Leitura boa, sempre é bem vinda!
Um abraço!

Satyro disse...

Amigo, obrigado pelo esclarecimento. De facto fiquei com a ideia, de que seria para preenchermos. São os efeitos das 24h que passei a trabalhar, sem ter ido à cama...

simplesmente Rö disse...

Adorei o texto e acredito que de grande ajuda para explicar e ao mesmo tempo de reflexão de tudo que acontece hj em relação a relacionamento virtual e ás vezes nem nos damos conta do real.parabéns.

DESIRE disse...

Gostei deste post pertinente e atualíssimo!
Beijos prometidos

sad eyes disse...

texto interessante.

Deh... disse...

Adorei seu post recheado de informação, paixões virtuais é algo cada dia mais presente na vida das pessoas, mas tudo deve ser administrado como muito cuidado, porque alem de tudo que vc colocou ai, ainda devemos ter cuidado extra com nossa segurança.

Tudo deve ser feito com muito cuidado.

Bjsss meu querido Paje

LadySiri disse...

Além de tudo o que já foi falado, penso que ainda existe muito preconceito com essa atual ferramenta de relacionamento, a internet! Mas pensemos...quantos 171s não existem por aí, travestidos de gente boa que enganam as pessoas na cara dura no mundo real?! Ou seja, carência tem que ser administrada e tratada para não cairmos em golpes sejam virtuais ou reais! Excelente post Capetão!
Beijos