domingo, 22 de janeiro de 2012

Mar por Derek Dick

Derek havia descido para a praia naquela sexta-feira à tarde. Fazia tempo que não vinha para Ubatuba e queria aproveitar a súbita onda de calor para passar um fim-de-semana curtindo o sol e o mar. Trabalhara o ano todo feito doido e merecia este descanso para repor as energias.
A viagem fora um pouquinha longa pois a estrada estava cheia. Tinha passado na casa alugada , se trocara colocando apenas uma bermuda e agora buscava um bar a beira-mar para tomar umas cervejas bem geladas e aplacar o calor.
Achou um quiosque na areia ainda aberto e pediu além da cerveja, um peixinho frito pra acompanhar.  Estava olhando em direção ao mar, sentindo a brisa que vinha dele, e vendo o sol baixar no horizonte pois se aproximava da 7 da noite já.  Que vista fantástica.
De repente ouviu uma voz feminina lhe perguntar:
- Bonito esse pôr-do-sol, não?
Derek gostou daquela voz que lhe falava tão macia...falando de forma meio preguiçosa...meio manhosa. Achou sexy mesmo.... e não resistiu a virar a cabeça pra ver sua interlocutora.
- Meu nome é Pri ! – disse a mulher, logo depois movendo os lábios até o canudo do drink que estava tomando.
- Derek! Realmente essa paisagem está deslumbrante...ainda mais agora depois de sua chegada!
- Hum...que galanteador, hein? – respondeu a moça.
A conversa se estendeu por assuntos diversos por umas duas horas e várias cervejas e drinks. Os dois já estavam um pouco altos e a esta altura já tinham se sentado na areia da praia, lado a lado.
Ela estava com um shortinho curto e Derek elogiou suas pernas e em especial seus pés. Para espanto dele, ela não ficou envergonhada nem vermelha e devolveu-lhe na cara:
- Ficou com vontade de beijar meus pés? Pode admitir!
- Bem...eu...- balbuciou ele sendo pego de surpresa.
- Já vi que não sabe o que fazer com uma mulher como eu!

- Que quer dizer exatamente com isso? – perguntou Derek.
- Digo que não está acostumado a uma mulher decidida, moderna e mandona, como eu.
- Pois digo que sim...adoraria beijar sues pés!
Outra rodada de cervejas chegou servida pelo garçom. Brindaram e ela voltou à conversa:
- Pra isso, você terá que merecer! Cumprir uma ordem minha, pra mostrar que merece!
- E qual seria? – respondeu Derek, excitado com o rumo da conversa.
- Tire sua bermuda...fique só de sunga e desfile pra mim na areia...
Derek olhou em volta, vendo que havia várias pessoas no calçadão...olhou de volta para Pri:
- Em frente a toda essa gente? Vou pagar o maior mico se .... – dizia Derek quando foi interrompido por ela:
- Eu perguntei o que você achava? Você não entendeu: faça o que eu disse!
Derek sentiu um arrepio subindo pela espinha e ficou com tesão pela situação. Cumpriu a ordem desfilando com sua sunga vermelha para aquela moça que acabara de conhecer.
O rapaz da barraquinha veio até eles, escondendo o riso, perguntar se queriam algo mais. Já eram 10 da noite e estavam fechando. Derek acertou a conta e pediu que ele trouxesse mais duas cervejas.
Abaixou pra beijar os pés de Pri, que jogou areia na cara dele com os pés e saiu correndo...dando risada. Ele ficou puto da vida, mas logo que percebeu que era parte do jogo e viu que ela corria em direção ao mar.
Foi atrás dela, agarrando-a pela cintura e levantando-a do chão acabaram por cair os dois contras as ondas que estavam próximas.
Ela mandou ele ficar de joelho coma as mãos para trás. Aquela mulher tinha algo que Derek nunca tinha visto antes. Mal a conhecia, mas se sentia pronto a obedecer todas as suas ordens e caprichos!
Ele se ajoelhou na areia, com as ondas batendo em suas pernas. Ela se aproximou, sabia que do calçadão da praia já não se enxergava ali onde estavam. Tirou o shortinho ficando de biquíni. Esfregou a bucetinha no rosto de Derek mas disse que não tirasse as mãos de trás das costas.
Ele ameaçou mover o braço ao que ela respondeu dando-lhe um sonoro tapa no rosto e rindo.
Ela abaixou-se de joelhos também...primeiro beijou-lhe mordendo o lábio e depois puxou o cordão da sunga afrouxando-o totalmente. Mandou-o deitar na areia e sentou-se sobre seu pau, rebolando sobre ele, ainda com seu biquíni. Ficou ali se esfregando, sentindo o membro pulsante sob seu controle.
Derek colocou as mãos naquelas coxas grossa e gostosas e foi aí que ela disse:
- Venha pro mar comigo, mas deixe sua sunga aí na areia.- E correu para o mar.
Derek entrou em seguida. Ela o abraçou tocando seu corpo molhado e puxando-o pela cintura junto ao seu corpo. As ondas do mar jogavam naturalmente um corpo contra o outro.
Ele ia falar algo quando ela pôs a mão em sua boca e disse: “Quietinho! Não quero ouvir sua voz! “ – E apertou seu pau embaixo d’água. Ele gemeu, mas manteve a boca fechada.
Ela desamarrou o laço do biquíni, retirando-o e amarrando no pescoço para não perdê-lo.
Ela guiou o pau de Derek para sua bucetinha já bem melada naquele momento. Se seguraram abraçados e as ondas fizeram o serviço. Seu pau entrava e saía naquela bucetinha quente e deliciosa, no ritmo do balanço do mar. Ela gemia e gritava chamando-o de gostoso.
A certa altura bateu na bunda de Derek, chamando-o de puto, e mordeu-o no peito. Ele se segurou pra não gritar. Tinha medo de descumprir a ordem e ela abandoná-lo ali em meio a tal tesão.
Ela virou de costas, fazendo com que ele a penetrasse por trás. Puxou suas mãos, permitindo que ele segurasse seus seios. Comia aquela xaninha deforma tão animal que queria gritar mas não podia. Ela começou a gemer cada vez mais alto até que ele sentiu um forte calor e percebeu que ela tinha gozado em seu pau.
Ela puxou-o então pra areia e colocando-o deitado começou a chupá-lo feito louca, com uma força e voracidade exageradas. Ela engolia ele inteiro, quase parecendo sufocar. Passava a língua em seu saco, na cabeça, na virilha.
Quando percebeu que ele estava para gozar disse:
- Agora quero que você grite! Grite pra sua Pri! Vem... goza pra mim e me dá todo esse leitinho! Goza na minha boca!
Instantaneamente, o pau de Derek obedeceu esporrando forte. Ele gritou! Urrou, na verdade! Ela captou todo o leite e engoliu se deleitando. Espremia o pau dele querendo tirar até a última gota para si.
Derek desfaleceu por alguns momentos e quando acordou tinha a seu lado apenas a bermuda e um bilhete:
- Levei sua sunga vermelha de lembrança. Deixei anotado meu telefone caso queira ouvir minha voz de novo.


****************************************************************************
Leia outros contos também no blog As Aventuras de Derek Dick:
http://aventurasdederek.blogspot.com/

2 comentários:

LadySiri disse...

Viajei nesse conto DE-LI-CI-O-SOOOOOO! Ahhh Ubatuba...como trepei naquelas areias, naquelas águas paradisíacas...praticamente cresci naquele lugar...lembranças pra lá de excitantes que revivi agora no seu conto. Adorei Derekinho...e vc foi bom menino...obedecendo tudo direitinho! Ai se a Sra. Lúcifer sabe disso, rss...Beijão.

Deh... disse...

Que deliciia, meu querido!!
Realmente coincidencia né...rsrs
Posso te mostrar SIM, mas vai ter que merecer....rsrs

Bjsss me ti