domingo, 11 de março de 2012

Quarenta graus! (por Derek Dick)

Muitos me perguntam da onde veio esse apelido de homem-termômetro. Eu costumava publicar no Clube dos Contos e uma amiga acabou me "batizando" assim por causa deste conto que posto agora aqui na Nau, para quem não teve a chance de ler ainda.....

Paixão acordara no meio da madrugada. Estava muito suada. Seria o calor de Belém nesta época? O mesmo que a fazia dormir com o ar condicionado sempre ligado? Ou teria sido um sonho estranho que teve do qual não conseguia se lembrar exatamente? Algo como se estivesse sendo perseguida por alguém?

Achou que algo estava errado pois sentiu um calafrio lhe percorrer o corpo. Decidiu por um banho frio. Já no banheiro tirou a camisolinha curta que vestia e pendurou atrás da porta junto com a calcinha de algodão.


Deixou a água molhar seu belo cabelo agora loiro que caía por suas costas. Ensaboou-se e voltou a sentir o calafrio quando passou as mãos enxaguando seus seios. Os mamilos ficaram instantaneamente duros e uma estranha excitação percorreu-lhe todo o corpo. Fechou os olhos e lhe vieram imagens do sonho na mente. Podia ver nitidamente um homem vestido de branco agarrando-a num beco contra a parede e beijando-lhe o pescoço, enquanto lhe apalpava toda.


Percebeu que sua bucetinha ficou molhada e a tocou se masturbando levemente, pensando naquele estranho de branco lhe atacando.

Quando abriu os olhos teve tontura e quase caiu no chão do banheiro. Mal chegou até a cama. Precisava buscar ajuda. Ligou pra irmã que veio muito rápido em seu socorro.


Foi levada ao hospital onde um primeiro exame confirmou que tinha febre alta, chegando a 40 graus. Precisariam interná-la para um acompanhamento mais profundo que permitisse determinar o que causava a elevação da temperatura.


Paixão passou o dia fazendo testes que de nada ajudaram a esclarecer o ocorrido. A conclusão foi de que havia sido alguma virose. A febre havia cedido há pouco quando a noite chegou, e então os médicos acharam melhor deixá-la em observação ainda naquela noite.


Sua irmã precisava ir para casa cuidar do marido e filhos mas tinha receio de deixar Paixão sozinha no hospital. Foi quando o enfermeiro-chefe do turno da noite entrou no quarto se apresentando:


- Meu nome é Derek. Sou o encarregado da noite e já revisei sua ficha senhora Paixão.


- Senhorita. Eu sou solteira – respondeu. – Eu preciso de sua ajuda para convencer minha irmã a ir descansar e cuidar de sua família.

- Mas é claro. Por favor, a senhora pode deixar que a senhorita Paixão estará muito bem assistida. Prometo que cuidarei pessoalmente dela e estarei atento a cada detalhe. – respondeu o enfermeiro.


- Bem, assim fico mais tranqüila. Qualquer coisa vocês têm meu celular. Podem me chamar a qualquer hora. – disse a irmã.


Paixão teve a impressão que conhecia aquele enfermeiro mas não sabia de onde.


Mais tarde Paixão assistia a televisão pois estava sem sono. Já havia jantado aquela sopa rala do hospital quando Derek veio trazendo-lhe um remédio para tomar. Enquanto media-lhe a temperatura comentou:


- Faz tempo que não vejo moça tão bonita por aqui, Paixão. E o seu namorado por que não veio te acompanhar, hein?


- Eu não tenho namorado não, viu? E você está muito saidinho hein, Sr. Enfermeiro-chefe. – respondeu Paixão em tom de brincadeira , dando uma risadinha.


Riram juntos. Derek informou que ela estava sem febre. Mediu a pressão – 12 x 8. Pediu a Paixão que levantasse um pouco da cama pois estava há muito tempo deitada.


Quando colocou os pés no chão sentou-se um pouco fraca, tonteou e Derek agarrou-a pela cintura antes que fosse ao chão. Nesse momento Paixão pensou que identificara de onde o conhecia. Ele era o homem de branco em seu sonho!


- Meu salvador ! – disse Paixão, agradecendo.


Derek ajudou-a a voltar para cama, mas no esforço de colocá-la de volta sobre a mesma, o avental de Paixão enroscou e acabou abrindo todo, revelando seu corpo nu.


Derek ficou olhando aquela cena como se tivesse parado no tempo. Paixão percebeu, rindo e demorando-se para tornar a fechar o avental.


- Desculpe, não pude evitar de olhar. – disse Derek


- Tudo bem. Sei que não foi de propósito. Aconteceu.- respondeu Paixão.


- Posso olhar de novo, desta vez de propósito?  - arriscou ele.


Paixão sentiu novamente um calor e um suor, mas desta vez sabia  que vinha de baixo, de sua bucetinha, que agora pulsava fortemente.


- Não sei se devo.... – riu ela.


Derek avançou em sua direção, desfazendo o nó e abrindo o avental de Paixão. Emendou dizendo:


- Você precisa tomar um banho para relaxar e conseguir dormir. É muito importante para sua recuperação. Vou ajudá-la.


Trancou a porta do quarto e pegando-a pela mão, levou-a ao banheiro que ficava dentro do próprio cômodo. Ligou o chuveiro e pediu que entrasse. A água agora jorrava morna e em abundância por todo aquele corpo. Ela era muito gostosa. Notou que sua pele era bem branca com seios grandes e rosados. Tinha poucos pelinhos na sua bucetinha que eram rodeadas por coxas grossas e firmes.


Tirou também sua roupa toda e entrou no chuveiro com ela:


- Prometi a sua irmã cuidar muito bem de você. Não poderia deixar você tomar banho sozinha no estado em que está. É perigoso voltar a sentir tontura.


E dizendo isso a abraçou por trás, colando seu corpo no dela e ensaboando sua barriga. Brincou com seu umbigo e foi subindo até alcançar os seios. Paixão se arrepiou toda e seus mamilos se mostraram empinados ao toque do enfermeiro.


Foi então que ela, sentindo o pau dele roçar na sua bunda, começou a rebolar ligeiramente. Isso fez o pau dele  endurecer e ela passou então a rebolar freneticamente.


Ele continuava ensaboando todo o corpo dela massageando suas coxas, seios e costas. Beijou-a na boca passando sua língua pelo lábio. Sentiu a mão de Paixão alcançar e apertar seu pau duro.


- Que delícia, Derek. Que pau gostoso.


- Esse é o melhor remédio, que vai deixar você totalmente curada. Quer tomar?


Paixão já estava totalmente molhada quando respondeu a pergunta de Derek colocando o pau dele na boca. Chupou gostoso e não queria parar. Lambia a cabeça e descia até o saco voltando pelo lado oposto. Passou um bom tempo brincando com ele.


Derek trocou de posição se abaixando. Paixão puxou um banco que estava no Box, usando-o como apoio para uma de suas pernas. Isso deixou a bucetinha aberta para Derek que meteu sua língua, lambendo-a toda.


Paixão se arrepiava de sentir aquela boca quente chupando seu grelinho. De repente sentiu de novo os calafrios, rebolou na boca de Derek. Acabou não se contendo e gozando forte, gemendo alto.


Derek lambeu todo o liquido de Paixão e depois ficou de pé, encaixando seu pau grosso dentro dela. Paixão sentiu suas forças se esvaindo, mas ele a segurou com firmeza pela cintura metendo fundo na xana molhada.


Paixão gemia e dizia:


- Mete fundo, meu enfermeiro gostoso! Cuida de mim! Me faz ficar boazinha, sarada! Ai....


E Derek cumpriu o pedido acelerando os movimentos. Paixão sentia cada estocada e com a força sua bunda batia contra o azulejo frio e molhado. Foi quando pediu ao enfermeiro:


- Sua doentinha quer tomar leitinho antes de dormir....você me dá?


- Você quer é? Claro que sim. Tudo pra você ficar boa.


Derek tirou o pau e continuou masturbando-se enquanto Paixão ajoelhou-se bem em frente a ele.


Ela passou sua mão pelo pau assumindo o controle e acelerando a punheta até que Derek começou a contrair-se deixando claro que o gozo estava vindo.


Paixão aproximou sua boca lambendo o pau de Derek ao mesmo tempo que ele gozou. Ela sentiu a porra quente encher-lhe a boca e continuo chupando até sugar tudo.


Terminaram o banho e Paixão se lembra dele ter lhe ajudado a colocar novo avental e também de ajeitá-la na cama. Dormiu sendo observada por ele.


Quando acordou no dia seguinte foi informada que o enfermeiro-chefe Derek já tinha encerrado seu turno. Teve alta naquele mesmo dia e quase desejou que tivesse uma recaída para que pudesse voltar àquele quarto.


Alguns dias depois achou um cartão de visita assinado por Derek dentro do envelope com os exames que tinham vindo do hospital:


“ Serviços de Enfermagem -   Atendimento domiciliar 24 horas


 Dedicação total e serviços de qualidade


 Derek Dick – derekdick2011@hotmail.com

7 comentários:

http://contoseroticosdeayeskaeamigos.blogspot.com disse...

Putz...relendo esse conto, deu saudades dos comentários da Paixão lá no Clube...rsrs
Com certeza ela mereceu e merece todos os carinhos!!
E que CALOR que deu kkk

Beijos doces para voce DD e a Paixão!!!

Um mega domingo!!!

Ayesk@

Sophysticada disse...

Super justificado, rs

Bjk@s Derek - Q calor!

Eros e suas experiências. disse...

Muito bommmmmmm acho insano demais os seus contos gosto demais muito excitante.


Beijos e abraços carinhosos

SexyButterfly disse...

Esqueceu de dizer que além de Homem Termômetro, também ganhou os apelidos de "safado, galinha e saliente"...rsss

Velhos tempos...

beijos borboléticos!

{princess kitty}龍戦士 disse...

Agora eu entendi o Homem Termômetro rsrs. Mas nem de enfermeiro esse menino perdoa a mulherada??? Hahaha!

Miaubeijos querido =^.^=

Linda Fênix disse...

Contato anotado!
Aiii qu dor... kkkkkkk
Beijos em ti, belo!

Eroticamente (In) Correto disse...

Agora fiquei até pensando num curso intensivo por correspondência,...rsrs
Muito bom este conto.



Abs. do IN_