sexta-feira, 16 de março de 2012

TRANSA NO ELEVADOR




Eu adoro água. Adoro chuva. Mas naquela noite, ao sair mais tarde do trabalho depois de um turno extenuante de 10 horas, duas horas a mais que o normal e ainda de salto e uma saia justa no corpo...sinceramente não estava adorando aquela chuva fria e torrencial que caia sem dó...
Não via a hora de chegar em casa, tomar um banho quente, colocar uma roupa confortável e tomar um chocolate quente.
Ah Deus, seria pedir muito? Após ter perdido o ônibus por uma diferença de dois minutos e ter que esperar debaixo da chuva, naquele ponto descoberto até que chegasse outro?
Meu estômago roncou de fome quando pisei em outra poça da água. Um relâmpago iluminou o céu ao meu redor.
O prédio em que minha amiga Luciana morava estava bem mais perto, e após falar com ela no celular fui para lá, já que teria que esperar muito pelo próximo ônibus.
Abri a porta do edifício e entrei na portaria sem testemunhas.
Enquanto aguardava o elevador, vi minha imagem, toda molhada da cabeça aos pés num espelho. Minha blusa totalmente transparente. Eu estava completamente ensopada, congelada, parecendo um pintinho molhado. Que dia!
Finalmente o elevador chegou.
As portas se abriram , estava vazio. Entrei e apertei no número do andar em que minha amiga morava juntamente com seus três filhos adolescentes.
- Ei. espere!
Tirei o braço para evitar que as portas se fechassem e tentei apertar o botão com o dedo ao mesmo tempo. Nisso, minha bolsa caiu e inclinei-me para pegá-la.
- Obrigado, moça.
Um arrepio percorreu minha espinha ao ouvir uma bonita voz masculina.
- De nada. - respirei fundo e fiquei quieta enquanto me erguia.
De repente, as luzes se apagaram e o elevador ficou às escuras.
Cambaleei contra o corpo do desconhecido, enquanto o elevador parava com um chiado.
- Você está bem, moça? – a voz profunda do desconhecido sussurrada no meu ouvido me fez arrepiar e senti minha xoxota umedecer-se e piscar de tesão. – Deve ter acabado a energia. Está chovendo muito.
Um tremor acompanhado por um chiado e luzes de emergência se acenderam dentro do cubículo fechado daquele elevador.
- Viu? Nenhum problema...
Ele separou-se do meu corpo e percebi que tentava não olhar para mim.
Senti meu rosto afoguear-se, sabia o que ele via. Uma blusa transparente e um sutiã rendado, meia-taça com os bicos túrgidos contra o tecido molhado.
As luzes piscaram e finalmente, apagaram-se por completo quando o elevador voltou a parar abruptamente.
-Oh... não!! De novo não!!- gritei, enquanto o desconhecido ao meu lado soltava um palavrão.
- Calma, moça...não entre em pânico. – percebeu que meus dentes batiam levemente ao me perguntar:
-Está com frio, moça?
-Estou bem. Só um pouco molhada. Hoje não foi meu dia, esqueci o guarda-chuva, trabalhei até mais tarde, perdi o ônibus e peguei toda a chuva.
Inalei a essência do cheiro másculo que desprendia do corpo do desconhecido. Meu corpo tremia com a proximidade dele e de minhas roupas molhadas.
- Parece que ficaremos presos aqui até que volte a energia elétrica.
- Ótima notícia, moço...
-Santo Deus, moça você está gelada!- ele agarrou minhas mãos e começou a esfregá-las energicamente.
-Eu... E... Estou bem...
-Não, não,  está. Tome isto.
Escutei um barulho e senti o peso de uma jaqueta em minhas mãos.
-Se tirar as roupas úmidas e colocar isto, deve se esquentar rapidamente
“ Ah...ele queria que eu tirasse as roupas e vestisse sua jaqueta? Tirasse na sua frente, um desconhecido? “
- Obrigada é muito gentil, mas não há necessidade disso.- tentei devolver-lhe a jaqueta enquanto mais calafrios percorriam meu corpo.
- Moça, juro, não estou pedindo que tire a roupa com nenhuma segunda intenção. Se sentirá melhor sem essas roupas molhadas e mais quentinha.
- E moça, juro que não olharei. - disse em tom de deboche.
Suspirei, estava sendo ridícula. O que ele iria ver? Estava tão escuro. E eu estava gelada até os ossos e ia pegar um belo resfriado
- Certo moço, tem razão. - respondi enquanto desabotoava a blusa.
Ele podia não me ver tirar a roupa, mas ele sabia que eu estava me despindo e senti uma excitação e um formigamento entre minhas pernas.
Tirei quase tudo, ficando apenas com o sutiã de renda e a calcinha.
Meus dedos roçaram nos dele ao pegar a jaqueta novamente.
Senti arrepios percorrer meu corpo sem saber se eram de frio ou de tesão.
Senti minha xoxota inchar e algo escorrer entre minhas pernas.
A jaqueta ainda tinha o calor do corpo do desconhecido e seu cheiro.
Senti um calor envolver-me toda.
- Melhor, moça?
-Hummm, muito melhor. Obrigada- me aconcheguei mais profundamente dentro da jaqueta.
- Tem frio, moço? Posso compartilhar sua jaqueta com você.
Antes que ele pudesse dizer não, eu abri a jaqueta e me aproximei dele, aconchegando-o dentro dela.
Levei um susto quando ele gemeu e senti sua boca na minha.
Senti-o deslizar sua língua dentro da minha. Percorri seu peito através da camisa com as minhas mãos e o senti estremecer.
Ele gemeu novamente e escutei um barulho de botões, um tecido se rasgando, até que senti o calor da sua pele.
- Ohhhh...Meu Deus... – ofeguei contra os lábios quentes daquele desconhecido, cravei-lhe as unhas e lambi seu peito de cima para baixo.
Ele desabotoou meu sutiã e meus seios ficaram livres sobre suas mãos.
Senti suas mãos quentes em meus seios e senti a necessidade de sua boca, língua nos bicos duros. A excitação ensopou minhas coxas através da minha calcinha e me esfreguei contra sua dura ereção.
“ Ohhhhhhhhhh Deus, nunca havia me sentido tão excitada daquela forma! Seus lábios, suas mãos eram como uma droga. Ele beliscou meus mamilos, enquanto com a palma das mãos acariciava as curvas dos meus seios.
Um desejo selvagem de empurrá-lo contra a parede e subir sobre ele até lhe agarrar me invadiu.
Sentia um fogo percorrer minha veias.
Senti sua mão descer mais para baixo para provocar-me através da roupa.
A frustração tomou conta de mim, não queria que nada ficasse entre nós, entre nossas peles.
Com dedos trêmulos, desabotoei a fivela do seu cinto e abri-lhe a braguilha.
Em minhas mãos senti seu pau ereto, quente, macio, as veias dilatadas.
Ahhh... como desejava vê-lo, mas a escuridão no elevador era total.
Só podia tocá-lo, e assim o fiz. Meus dedos o percorreu, sentindo-o.
Fui inclinando os joelhos para abaixar-me sobre ele e começar a chupá-lo, mas ele me impediu. Puxou-me para cima.
Senti seu corpo roçar-me o estômago, as coxas e sua respiração sobre meus empapados lábios vaginais cobertos pela calcinha.
Engoli seco quando senti seus dedos percorrerem lentamente minha racha e o clitóris marcados pelo tecido.
- Essa calcinha por acaso é sua favorita?- Perguntou-me com a voz rouca.
- Nesse instante...não...
- Ótimo...
Senti um puxão brusco e logo em seguida o ruído de algo se rasgando. Era a minha calcinha.
Minha xoxota inchou, contraiu-se e meu coração disparou.
Ele esfregou seus dedos na minha racha molhada, antes de deslizar um dedo dentro dela.
O toque de seus dedos amoleceu minhas pernas.
- Ahhhhhhhhh rápido!- gemi.
- Calma...nem comecei...- disse baixinho e logo senti-o sugar meu inchado clitóris.com sua boca.
Não consegui me conter e dei um grito, meus quadris rebolaram contra ele, enquanto meu corpo explodia em fogos de artifícios.
Lambeu-me como um gato lambendo um pires de creme.
Após lamber-me mais uma vez o clitóris, o chupou levemente e foi subindo, lambendo-me os seios, até ficar novamente de pé a minha frente.
- Por acaso tem preservativos na sua bolsa?
- Por incrível que pareça, tenho sim...-mexi em minha bolsa, ate que encontrei o que procurava. -Tenho uns aqui. Uma amiga minha foi buscar remédios no Posto de Saúde e as enfermeiras lhe deram um monte...
Abri o pacotinho e minhas mãos procuraram seu sexo.
Ele grunhiu baixinho quando o provoquei com minhas mãos enquanto lhe colocava o preservativo..
Acariciei suas bolas delicadamente.

Com um grunhido mais alto, ele me ergueu para cima contra seu corpo, se apoiou contra a parede e deslizou as mãos para baixo até chegar em meu traseiro.
Ao levantar-me, senti seu pau na entrada da minha xoxota, enquanto eu lhe prendia a cintura com as minhas pernas. Agarrei-me em seus ombros com as mãos e meus mamilos roçaram seu peito.
Com um gemido e uma estocada, o desconhecido afundou-se profundamente na minha úmida e estreita fenda.




- Ahhhhhhhhhhhhh....aaaaaaaaaaaa
Eu o apertei com minhas paredes internas e molhadas.
- Sssssssssssss como você é apertada e quente!
Respondi gemendo enquanto minhas pernas apertavam ao redor da sua cintura e eu me balançava contra seu corpo.
- Agarre-me com força- mandou enquanto me apertava o traseiro com suas mãos e me fazia subir e descer em seu cacete, enquanto estocava rápido e fundo.
Eu me segurava nele e esfregava meus seios em seu peito.
- Ai... aaaaaaaaaaaaaa, Deus ...vou gozar de novo!
 

O desconhecido deu um grito e beijou-me firmemente os lábios com a boca e língua em um beijo selvagem e investiu os quadris com mais força.
Eu sentia suas estocadas profundas me preenchendo toda.
Com um grito selvagem, cravei as unhas em suas costas, enquanto meu corpo estremecia e eu gozava em seu pau.
O apertei e ordenhei, enquanto meu orgasmo vinha em ondas.
O senti retesar-se e gozar.
Nos rendemos, aplacados pelo gozo intenso e arrebatador.
As luzes de repente se acenderam dentro do elevador que começou a subir, nos olhamos e com um sorriso maroto ele me disse:
- Oi, minha Branquinha...










Nota:  Escolhi esse conto devido a Homenagem que fiz essa semana no Blog,pelo Niver de 01 ano de Um Amigo  muito Querido e Especial...
Um amigo que  desde que nos conhecemos me chama carinhosamente de Branquinha... 
Fui uma de suas musas e hoje não poderia deixar de postar esse conto que escrevi há um Ano atrás, cuja inspiração foi ele... Derek Dick!!!
Espero que gostem!!! Leiam e sintam muito prazer com a leitura!rsrs
Bjs doces carinhosos e bjs doces molhadinhos para o meu amigo querido DD!!!


Ayesk@

4 comentários:

Eroticamente (In) Correto disse...

Belo conto Ruivinha. Este Capetão orgulha-se de ter vc a bordo.


Beijo do IN_

SexyButterfly disse...

Eu gosto desse conto...

Me lembra "Love in an elevator"...rss

E com altas temperaturas!

beijos borboléticos ruivinha!

bell - hallucinating disse...

nossa, nossaaaaa, menina nao faz isso que fiquei sem fôelgo e com outras coisa a me atormentarem, kkkkkkkkkkkk q calor, ufaaaa... isso sim dá gosto de ler, sentir, ai. rs bjsss

Derek Dick disse...

Minha eterna musa....

Branquinha, adoro esse conto que nos leva de volta a uma época e um momento em que vivemos algo tão intenso....e que sempre lembro com carinho!

Obrigado pela oportunidade de reler esse conto e reavivar a memória...

Beijos molhadíssimos

DD