sábado, 24 de dezembro de 2011

Descoberta da submissão.


   Pretendia dizer como é para uma mulher se descobrir submissa, mas percebi, depois de conversar com muitas amigas subs, que para mim foi muito diferente, claro, se aceitar assim foi complexo para mim também, mas o processo foi bem diferente.   Por isto, não podendo falar de forma tão generalizada, vou falar como foi para mim.
   Eu não ME descobri submissa, acho que porque eu era totalmente alienada do mundo BDSM, nem sabia que existia isso até dezembro de 2008, sei que para quem me lê pode ser surpreendente saber que descobri este mundo há tão pouco tempo, mas eu devorei tudo o que havia disponível para aprender. 
   Conheci meu Dono em julho de 2007, mas durante 18 meses nós tivemos uma relação baunilha (baunilha é aquilo que não é BDSM), ele logo percebeu minha tendência, mas seria para ele também a primeira vez, embora conhecesse e desejasse há décadas, então ele foi fazendo comigo pequenos testes sem que eu soubesse.   Tudo era muito difícil porque tenho uma personalidade forte, difícil de ser subjugada, mas enquanto fêmea, e para o meu homem, sou submissa, fora disso sou educada, mas não aceito comando.   Esse assunto de submissa de alma...   Não sei o que isto quer dizer, a partir do momento que entendo que todos nós temos dois lados, yin/yang, ninguém é totalmente servil em todos os aspectos da vida e eu também não, aliás, sou bem cabeçuda até, se não me convencem...   E não basta dizer que é, tem que me explicar porque é.
   Ele me dava pequenas ordens que nunca se repetiam, não viravam rotina: Ir com aquele vestido rosa, só porque ele queria, sem calcinha, sem maiores explicações, isto e aquilo...  A coisa foi ficando mais intrigante, os comandos mais ousados à medida que com o tempo eu me tornava mais suscetível a ele.  Então vieram os contos levemente sadomasoquistas escritos por ele mesmo, para despertar o que eu já sentia com maior intensidade, mas ainda não era algo claro.   Até que certo dia eu escrevi um dos inúmeros e-mail falando do que eu sentia e nele eu disse: “sou tua escrava...”, mas isto era meramente figurativo, para expressar um sentimento que se passava no coração e eu não sabia explicar, mas foi a deixa para ele entrar no assunto de maneira mais incisiva.   Confesso que me encantei, afinal, 18 meses de preparação suave não dá para deixar ninguém chocado, a confiança há muito estava estabelecida, jamais houve mentiras entre nós, o que é fundamental. 
   Mas depois de uns dois meses eu estava num total conflito, eu já tinha caído na realidade do que realmente significava ser uma submissa, de estar ao dispor da vontade do outro, de não decidir as coisas, etc...   Mesmo assim não posso dizer que foi uma fase terrível, haviam conflitos de sobre o que seria certo ou não aos olhos de Deus e um monte de coisas do gênero que se passam no coração de quem tem fé.   Por isto eu vivi o conflito, não exatamente por me descobrir uma fêmea submissa ao meu homem, mas por causa de idéias religiosas, porque eu achava absurdo, coisa de gente que não prima pela inteligência.   Só rindo...  Como a gente muda e descobre o quanto éramos tolos...
   Devido a minha transição ter sido muito suave, por ele ter notado e instigado isto com suavidade, eu não sei dizer o que é SE descobrir submissa, imagino que deve ser meio chocante, mas eu não passei por isto, felizmente tive a sorte de encontrar uma pessoa que soube fazer com que as coisas para mim fossem quase sempre encantadoras, sempre suaves  e não uma experiência traumática.   O que aliás, acho que deveria ser para todas.
   Por outro lado sei que na maioria dos casos não é assim que acontece, que é difícil demais e as pessoas entram nos chats a procura de informação, ledo engano, ali o que quase sempre vão achar são ‘abutres’ ávidos por carne fresca, claro que existem exceções, que às vezes aparece alguém que vale a pena, mas se as submissas conversassem entre si e essas conversas não fosse fúteis, se quisessem passar alguma informação relevante para as que estão chegando, seria muito útil, até mesmo para quem só esta curioso, embora eu pense que a curiosidade com a busca já é um sinal, não gosto dos rótulos que o meio BDSM poem nas pessoas, separando discriminando as pessoas, como se as pessoas nascessem sabendo, elas podem ter o dom de ser isto ou aquilo, mas assim como um escritor só teve a chance de ser tornar um ilustre porque foi para a escola, uma pessoa que tende a Dominação ou submissão só aprende a viver de forma adequada e tirar melhor proveito do que ela é quando se informa das coisas.   

Dorei Fobofílica.

9 comentários:

Eroticamente (In) Correto disse...

Eu vivo dizendo à todos que me rodeiam que toda e qualquer grande mudança é um processo. Nada acontece da noite para o dia e, se acontecer, tende a fracassar. As coisas lentas, que vamos assimilando e digerindo ao longo do tempo são as mais duradouras. Tenho aprendido com vc e falamos já sobre isso. Hj sei que há em mim um lado Dom, além deste democrata de alcova e hétero assumido. Espero continuar navegando ao teu lado em 2012 e bebendo da tua sabedoria em pequenos goles.
Super beijo do teu Capetão!

Mr. Scarecrow disse...

Cara Dorei,

é impressionante como a vida vai nos guiando por caminhos antes inimagináveis... e se temos a coragem de aceitar o desafio, então a recompensa acaba por vir em algum momento... e se nesse caminho ainda temos alguém a nos guiar, melhor ainda...

bjs

Sr. E

SexyButterfly disse...

Dorei

O caminho é sempre mais fácil se quem nos guia nos inspira confiança...

E o que tem de "Dom" louco por aí...
É imprescindível a busca pela informação como vc fez... Como eu faço... Ainda navegarei por essas águas, um dia, rss

beijos borboléticos!

Ulisses Reis ® disse...

Feliz Natal, mas não somente feliz no Natal e sim a cada momento da vida e com os amados e os que te amam, feliz a cada palavras lida ou as tuas escritas, feliz em saber que a vida ainda vale a pena e que amar não tem precisão, mas é necessário, feliz e simplesmente com teu sorriso, obrigado e tenha um noite saborosa e com harmonia, beijos !!!

LadySiri disse...

Grande Dorei! Sábias palavras. Informação é tudo e sorte a nossa que temos você como uma referência ponderada, acolhedora e transparente!
Dorei, desejo a você e a todos os seus entes queridos um Natal iluminado, com muito amor, saúde e prosperidade. Te goste muito viu.

Beijo carinhoso.

http://contoseroticosdeayeskaeamigos.blogspot.com disse...

Dorei, como disse no seu Blogue vou degustar esse relato...pois tenho muito a aprender!
Mas, ainda não sei se levo jeito para Sub não...rsrs

Feliz Natal, querida Dorei!
Tiro o chapéu para vocÊ sempre!!!
Beijos doces carinhosos e natalinos a você e a tripulação e passageiros do Diário de Bordo!

Ayesk@

Milla _de Morpheus disse...

Linda Dorei...
Antes de tudo, agradeço sua visita e suas palavras sempre carinhosas.

O mesmo carinho nutro por voce, linda, com mais uma pitada de respeito e de admiração.

Sou suspeita para falar. Aff, subzinha repetitiva, sempre escreve as mesmas coisas.... kkkkk

Explico: Sou aprendente e sedenta por informação segura, confiável e séria, sempre ando por aqui. Bebo bons goles da bebida deliciosamente servida pela linda menina que aqui neste cantinho escreve...

Mas Dorei, olha só, ao te ler, me vi... Comigo não foi tanto tempo assim, mas o processo foi muito parecido. Encontrei o Dono em um chat. Conversamos trocamos e-mail e durante seis meses só conversamos e só O conhecí após... Depois, as coisas foram acontecendo e não me arrependo. Há um ano vivendo essa experiencia, apenas e sem nenhuma outra anterior, me sinto feliz. Mas tive surtos e mais surtos por motivos variados, que passavam desde a religiosidade, até o desempenho profissional...

Penso no deslumbramento que o tema causa e seus efeitos em garotinhas desavisadas. Mas felizmente, bons posts ajudam muito a refletir sobre as escolhas e conscientizam as pessoas.

Posso dizer que seu cantinho, assim como outros que visito com frequencia e pessoas com as quais converso sempre e que criei laços por aqui, me ajudam muito.

Beijos no coração...

{Milla}_deMORPHEUS

Derek Dick disse...

Dorei, lindo seu relato.

Adorei saber desta história tão bonita e a admiração que aprendi a ter por ti, simplesmente dobrou...

Assim como o caminho que estou vivendo hoje, acredito que o melhor de tudo está em se descobrir e se libertar. Também tive conflitos em relação a religião, mas acima de tudo acredito que o AMOR entre as pessoas é o melhor que um ser-humano pode ter e doar.

Beijos molhadinhos
DD

EU SOU NEGUINHA disse...

Dorei...
Estas sutis descobertas,medos,receios...aacredito que nos fazem mais fortes,preparadas para experienciar o novo,aquilo que queremos e desejamos.
Ainda bem que tivemos pessoas especiais nesta condução,que com o amadurecimento da relação vai se trasnformando em algo feliz e vibrante.
è ler,aprender,vivenciar com segurança...e feliz...aprendi contigo...
Beijos em ti minha amada menina