segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Quinze Anos Depois,...

__ Olha. Eu não sou exatamente amiga da tua ex, mas a gente se conhece. Você acha certo sairmos no primeiro encontro? Ainda nem nos conhecemos direito ainda. Argumentou Mari.
__ E tem forma melhor de nos conhecermos do que na intimidade?
Foi assim que sai com a ex-noiva de um amigo. Sem o menor constrangimento da minha parte ou da dela depois destas poucas frases trocadas após uma noite numa balada.
Mari era um pouco mais velha do que eu, mas era pequena, mignon. Descendente de italianos e dona de um fogo que até então eu não conhecia. A menina metida a séria, prendada e de pouca fala, simplesmente, na cama, dava lugar à uma devassa completa e sem tabus. Ela sempre queria mais e, nos três meses subseqüentes,era normal amanhecermos transando.
Claro que quando se tem vinte e poucos anos tudo é passageiro. Inclusive Mari. Antes que parássemos para raciocinar, ambos estávamos de olho em outras pessoas e assim, numa noite qualquer, nos encontramos na mesma balada, só que cada um de nós com outra companhia. Naquela noite não falamos e nem pelos quinze anos que se seguiram. O destino tratou de fazer com que ambos tomássemos rumos completamente diferentes até que:...
__ Oi. Você não é o Fredy? Falou a senhora do banco de trás cutucando meu ombro com uns dois ou três dedos.
Eu me virei, olhei e não a conheci. Era uma mulher que o tempo com certeza havia maltratado.
__ Sim, sou eu. E você? Me conhece? Eu perguntei mais por educação do que por qualquer outro motivo. Estávamos num ônibus e eu não fazia a mínima idéia de quem se tratava.
__ Sou eu Fredy. A Mari. Lembra de mim?
Eu tentei não demonstrar aquela expressão de surpresa negativa. Eu guardava a imagem da menina bonita, mignon e altamente desejável. Tudo aquilo estava desfeito, desmoronara naquele segundo.
Mary, nos poucos minutos que ainda tínhamos me falou da sua vida. Do insucesso no casamento, dos filhos que ela tivera, das mágoas e do desemprego. Perguntou se poderia me visitar. Afirmou sentir saudades da época e do que fomos um para o outro.
Eu, polidamente disse que sim, mas que estava em um relacionamento sério e, que talvez não fosse uma boa idéia. Ela não demorou a apertar a campainha e eu, do meu banco vi aquela mulher maltratada pelos anos pela última vez.
Não sei o que foi feito de Mary, mas prefiro pensar nela como aquela menina bonita e cheia de vida que eu reencontrei na balada, após ambos estarmos livres e afins.
Talvez um dia eu a reencontre, talvez nunca. Não sei.

Por que eu contei esta história à vocês?
Justamente para poder dizer que o dia de hoje é o mais importante de nossas vidas. O ontem não mais nos pertence e o amanhã é incerto. Podemos pensar nele com algumas precauções e usando as lições que a vida nos impôs, mas não podemos evitar de reencontrar as tantas Maris que o tempo maltratou. Talvez eu, você, ou alguém que gostamos muito possa vir a ser uma Mari amanhã. Então,.... temos o hoje, dele somos senhores e podemos tudo.
Lembrem-se disso!




O futuro?
Amanhã talvez,...

E o passado?
O passado é um jardim
que rego na memória.

Hoje é presente!
Sente?
Tem vida, tem noite fria;
Água na bica e poesia.
Precisa mais?
(In)Corrreto

9 comentários:

LÁBIOS DE MARIAH disse...

O futuro pode ser incerto, mas a chegada dele e certa! Vc escreve maravilhosamente bem, me encanta, me seduz e me deixa com vontade de mais sempre!

Derek Dick disse...

Por isso q digo sempre : "Carpe Diem"

Bejijo pras marujas
E abraço pros marmanjos

DD

SexyButterfly disse...

É por isso Capetão que resolvi aproveitar o hoje, sempre. Esse negócio de deixar passar, ficou pra trás... Quem garante que vai acontecer de novo?

beijos borboléticos!

! DIÁRIO DE BORDO ! disse...

Isso me lembra a música do poeta Renato Russo: "É preciso amar, as pessoas como se não houvesse amanhã!"

Beijos quentes em ti meu Capetão!

LadySiri disse...

Ops! Comentei logada...esse comentário aí em cima é meu viu gent!

Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ Dorei Fobofílica Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ disse...

Penso que é preciso nos amarmos antes de qualquer coisa, para que não surja as maris da vida, toda idade tem beleza quando a gente se ama.

Beijos em ti, piá!

Linda Fênix disse...

Há um ano percebi que o tempo passa rápido e para não virar uma Mari, decidir mudar isso!

O Hoje é sempre o mais importante, não adianta ficar se lamentando pelo que passou ou sofrer pelo que ainda não aconteceu. Vamos apenas viver o presente.

Beijo em ti meu Capetão!

Deh... disse...

Queria mesmo meu Paje, que todos tivessem essa mesma opinião, sei que importante pensarmos no futuro mais, dai a deixar de viver algo... isso não, odeio ser cobrada, pressionada, gosto do agora, mas quero estar feliz hoje, depois vemos o resto.
Se nos preocuparmos demais com o futuro, deixamos de viver o presente....
POR ISSO..... VIVA!!!

Bjsss meu Pajé Capetão
Adoro-te
Sua Feiticeirinha

Mr. Scarecrow disse...

Perfeito, meu caro In... nada mais a dizer... rsrsrs

Abraço.

Sr. E